Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

10/05/2010 19:10

Estados deixaram de repassar R$ 1,2 bilhão para o Fundeb em 2009

Amanda Cieglinski, Agência Brasil

Brasília - Um levantamento do Ministério da Educação (MEC) aponta que o Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) deixou de receber R$ 1,2 bilhão em 2009 porque 21 estados não depositaram o total de recursos que deveria ser repassado. O fundo foi criado em 2006 e é composto por recursos provenientes de impostos e transferências arrecadados por estados e municípios. A União também responde por uma parcela desses valores.

Segundo o coordenador-geral do Fundeb, Vander Borges, o ministério não tem como saber se os recursos foram desviados ou se há uma diferença de metodologia ou mesmo erro de cálculo. Essa investigação ficará a cargo dos tribunais de conta dos respectivos estados, que já foram alertados sobre o problema.

Entre todos os estados, apenas Alagoas, Minas Gerais, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina repassaram os percentuais devidos. O ministério não sabe afirmar se Distrito Federal repassou o total esperado uma vez que o governo depositava os valores em uma conta à parte. São Paulo foi o estado com a maior diferença entre os valores que deveriam ter sido destinados ao Fundeb: R$ 660 milhões. Em seguida vem Espírito Santo (R$ 259 milhões) e Pará (R$ 153 milhões).

O aporte do governo federal ao Fundeb foi de R$ 3,2 bilhões em 2008 e R$ 5 bilhões para 2009. A partir de 2010, a contribuição da União será de 10% do total repassado por estados e municípios. Por isso, Vander alerta que se não forem aplicados todos os recursos destinados por lei ao fundo, o rombo poderá ser maior já que proporcionalmente a União também fará um repasse menor.

“A base do cálculo para o repasse da União será feito em cima do que os municípios e estados repassarem”, aponta Borges. Ele explica que os recursos do Fundeb são utilizados essencialmente para remuneração dos professores. "Do total, 60% devem ser utilizados com a folha de pagamento. O resto deve ser investido no que chamamos de desenvolvimento e manutenção da educação básica. Ou seja, pode ser na reforma de uma escola, no transporte escolar", enumera.




Edição: Lílian Beraldo

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)