Cassilândia, Domingo, 20 de Maio de 2018

Últimas Notícias

08/02/2008 06:54

Estado não é obrigado a indenizar preso por danos morais

TJMS

Os desembargadores da 1ª Seção Cível deram provimento aos embargos infringentes nº 2006.001470-8/0001-01, propostos pelo Estado de MS em ação ordinária de reparação por danos morais movida em seu desfavor por G.C.R., pedindo a prevalência do voto minoritário proferido em apelação cível e que se julgue improcedente o pedido indenizatório. Um tema bastante conhecido dos desembargadores: as más condições dos presídios.

O Estado defende a aplicação da teoria da reserva do possível, haja vista que o poder público não dispõe de condições financeiras para implementar os serviços de segurança pública sem comprometer a prestação de serviços públicos em setores diversos. Na prática, os julgadores concordaram com a tese de que os direitos individuais não podem se sobrepor ao interesse público.

Entenda – O condenado G.C.R. ajuizou ação na 2ª Vara Cível de Corumbá, pedindo indenização para reparação de danos morais em razão das condições do local onde estava recolhido. Inconformado com a decisão negativa do magistrado, recorreu ao Tribunal de Justiça na tentativa de ver reformada a decisão de pedir pensão mensal no valor de um salário mínimo, enquanto estivesse sofrendo danos, fazendo cessar o pensionamento se cessassem os danos.

O relator da apelação, Des. Hamilton Carli, em seu voto, lembrou que o juiz de Corumbá sustentou sua decisão quanto à impossibilidade de fixação da indenização pleiteada porque o Estado deve utilizar-se dos meios disponíveis, agindo, na medida do possível, para assegurar a existência e o funcionamento do sistema penitenciário.

“É de conhecimento público que os presídios, não só os do Estado de MS, mas de todo o Brasil, encontram-se em situação de superlotação. (...) Não estamos, com isso, negando o direito do autor de ver ressarcido seu sofrimento. Apenas entendo que se o objetivo principal da ação é obrigar o Estado a dar melhores condições de vida e dignidade aos detentos que cumprem pena nos estabelecimentos prisionais sul-mato-grossenses, não obterá êxito intentando ação indenizatória de danos morais. (...) o Estado vem buscando soluções a fim de sanar os problemas enfrentados pela população carcerária. Estas ações são insuficientes para a solução dos problemas decorrentes da superpopulação carcerária, mas indicam a movimentação do Estado nesta direção. (...) O valor destinado ao pagamento das indenizações poderia ser utilizado para ampliação e melhoria do sistema, em benefício de todos os demais apenados, bem como da própria sociedade, que se sentiria mais protegida”, apontou no recurso.

O Des. Osvaldo Rodrigues de Melo, revisor da apelação, entendeu que o Estado é responsável pela construção e administração do sistema penitenciário, especialmente pela boa manutenção e regular funcionamento dos estabelecimentos prisionais, cabendo, portanto, observar que, ao exercer o direito de punir e de restringir a liberdade dos indivíduos que transgridem as leis, passa a ter o dever de custódia sobre eles.

Assim, o revisor votou no sentido de dar provimento parcial à apelação e condenou o Estado a pagar a G.C.R., a título de indenização por danos morais, a importância de dois mil reais. O Des. Des. Paulo Alfeu Puccinelli, vogal no recurso de apelação, acompanhou o voto do revisor e foi dessa decisão que o Estado recorreu nos embargos infringentes.

Autoria do Texto:Secretaria de Comunicação Social

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 20 de Maio de 2018
Sábado, 19 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Sexta, 18 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)