Cassilândia, Segunda-feira, 08 de Março de 2021

Últimas Notícias

21/01/2021 15:20

Especialistas explicam funcionamento e eficácia das vacinas virais no organismo

Fonte: Governo do Estado de MS

Ana Brito, Subcom
Cassilandense Ana Paula Rezende Goldfinger é gerente técnica de imunização da Secretaria Estadual de Saúde.Cassilandense Ana Paula Rezende Goldfinger é gerente técnica de imunização da Secretaria Estadual de Saúde.

Com a chegada da vacina contra o coronavírus, muitas informações falsas e/ou incompletas sobre a imunização podem gerar dúvidas tanto em relação à eficácia, como a questões sobre reações, entre outros assuntos relacionados.

O primeiro lote com a vacina chegou, nesta segunda-feira (18), com 158 mil doses enviadas pelo Ministério da Saúde. A distribuição para os 79 municípios segue o Plano Estadual de Distribuição da Vacina contra a Covid-19, por intermédio de força-tarefa da Secretaria de Estado de Saúde (SES) e da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

Nessa primeira fase serão imunizados os idosos com mais de 60 anos que moram em instituições como casas de repouso, além de indígenas e trabalhadores da área da saúde que estão na linha de frente contra a pandemia de Covid-19.

Para a gerente técnica de Imunização da SES, a cassilandense Ana Paula Rezende Goldfinger, as vacinas têm o propósito de estimular o sistema imunológico, pois ao serem aplicadas, introduzem vírus ou bactérias inativas ou atenuadas no organismo e fazem com que o sistema imunológico reconheça agentes que causam doenças, produzindo anticorpos que evitam acometimentos mais sérios ou até mesmo a morte. Com isso, a especialista conclui que as vacinas são seguras.

“Os imunizantes são rigorosamente testados e avaliados até que possam ser liberados e ofertados para população, com isso, têm eficácia comprovada, prevenindo doenças e em alguns casos erradicando-as, como é o caso da poliomielite, que não existe no Brasil desde o início dos anos 90 devido às políticas de prevenção do Ministério da Saúde. Portanto, não precisamos ter resistência quanto a sua eficácia”, reforça a gerente da SES .

Sobre as reações, ela explica que após a aplicação algumas poucas pessoas podem desenvolver sintomas de reação adversa, uma vez que as vacinas são medicamentos e podem causar algum incômodo, dor, febre local ou outro sintoma. “Mas reforçamos que o risco de possível evento adverso e muito pequeno perto dos benéficos ofertados por uma vacina, ainda mais nos dias atuais”.

A infectologista integrante do COE/MS (Centro de Operações Emergenciais), Mariana Croda, acredita que falhas nas informações podem trazer confusão à população em relação à vacinação. “O mundo inteiro está se vacinando, as pessoas de forma alguma estão sendo feitas cobaias, todas as fases de estudo foram muito bem feitas e conduzidas, temos vários países já utilizando, várias vacinas, milhões de pessoas já foram vacinadas em todo o mundo então não tem como Brasil não vacinar mais”.

Mariana ressalta que cientistas brasileiros já possuem ampla experiência com este tipo de vacina. "As vacinas são, na verdade, pequenas partes do vírus que vão fazer com o que corpo entenda, que faça esse reconhecimento e gere anticorpos, ficando então imunizados. Nós temos anticorpos produzidos especificamente contra esse vírus, então isso já é uma técnica que usamos há muitos anos, nós temos várias vacinas semelhantes. Então não temos o que temer”.

O exemplo citado por Mariana Croda se refere as demais virais já aplicadas há muitos anos. “Temos exemplos de vacinas que são seguras e que usamos há muitos anos como a Influenza, vacina do sarampo. A gente acredita que a vacina é eficaz e segura. E mais: não é somente o Brasil que vai usar essa vacina, a estratégia é que tenhamos outras variedades da vacina tanto no público, como no privado”.

“Estamos esperançosos e esperando o imunobiológico para que possamos frear esse vírus tão letal e que vem causando tanto sofrimento e angústia para toda população”, conclui Ana Paula.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou no dia 17 de janeiro o uso emergencial de 6 milhões de doses da vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantã e as 2 milhões de doses da vacina produzida pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 07 de Março de 2021
Sábado, 06 de Março de 2021
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)