Cassilândia, Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017

Últimas Notícias

12/05/2013 19:15

Especialistas dizem que tratamento de hepatite C no país tem bom nível

Cristina Índio do Brasil, Agência Brasil

Rio de Janeiro - O tratamento da hepatite C no Brasil está em pé de igualdade com o de países desenvolvidos. Segundo a médica Cristiane Vilella, responsável pelo atendimento a pacientes com a doença no Hospital da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), os pacientes têm acesso à medicação, que é fornecida pelo Ministério da Saúde. "É uma medicação caríssima e o custo é elevadíssimo. Eles têm acesso gratuitamente. O paciente nem precisa ter um plano de saúde para poder se tratar. Isso é muito interessante".

O problema, na opinião dos especialistas, é a falta de informação. Para o responsável pelo Ambulatório de Hepatites Virais e Infectologia da Universidade Federal de São Paulo, Paulo Abrão, o teste de diagnóstico da doença deveria ser incluído automaticamente nos exames de sangue de rotina. Ele ressaltou que, como a doença não tem sintomas no início da infecção, muita gente não sabe que já está com o vírus.

"Acho que a população ainda precisa de mais esclarecimento. Muitas pessoas têm a doença e não tem o diagnóstico. Quanto mais a gente falar sobre isso e alertar sobre a transmissão, estimular as pessoas a fazerem o exame diagnóstico é melhor". Dados do Ministério da Saúde mostram que por ano surgem 10 mil novos casos de hepatite C no Brasil. A doença provoca anualmente 2 mil mortes e representa 70% das hepatites crônicas.

Cristiane Vilella disse que, em geral, quando a pessoa começa a ter sintomas já tem a doença hepática descompensada. Neste caso, o paciente começa a ficar com os olhos amarelos, com água na barriga, problemas neurológicos e aí não tem opção que não seja o transplante de fígado".

Segundo os especialistas, o diagnóstico precoce é a melhor forma de combater a hepatite C. Uma das primeiras medidas para isso, é detectar se o paciente faz parte do grupo de risco. Em primeiro lugar, são do grupo de risco todos os que receberam transfusão de sangue antes de 1992, porque foi a partir daí que os bancos de sangue começaram a fazer a triagem dos doadores. Antes disso, ninguém conhecia o vírus. Se a pessoa estiver nesta condição deve fazer o teste de sangue para verificar se tem a doença.

"Outra condição são pacientes que receberam transplante de órgãos também a partir de 1992. Ainda estão na lista pacientes com doença renal crônica e que fazem hemodiálise, os que usam drogas ilícitas que compartilham seringas e pessoas que têm contato domiciliar com alguém que tem hepatite", disse. A médica lembrou também o risco de compartilhar alicates de cutícula ou objetos cortantes.

Recentemente, nos Estados Unidos há recomendação para que as pessoas nascidas entre 1945 e 1965 também façam o teste. "É uma faixa etária em que existe prevalência muito alta de pacientes infectados. Em alguns pacientes não é possível saber como se infectaram". A médica admitiu que isso pode ser "um pouco alarmante" para a população, mas é uma informação interessante. "Ninguém precisa sair correndo para fazer o teste, mas uma vez por ano a pessoa faz uma checagem no nível de colesterol, triglicerídios, glicose e pode incluir nessa avaliação anual o teste para a hepatite C".

A médica explicou que a hepatite tipo C não é a forma mais grave, mas é a que requer atenção porque pode evoluir para uma doença crônica. Segundo ela, a hepatite C é a maior causa de cirrose no mundo. Ela lembrou que a evolução da doença é completamente diferente de acordo com o estilo de vida de cada pessoa. "Estilo de vida saudável é bom para todo mundo, ainda mais para quem tem hepatite C".

Edição: Tereza Barbosa

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 22 de Setembro de 2017
Quinta, 21 de Setembro de 2017
10:00
Receita do dia
06:20
Libertadores da América
Quarta, 20 de Setembro de 2017
21:22
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)