Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

10/11/2005 06:57

Especialista fala sobre exportação de mel

Rodrigo Rievers/Agência Sebrae

Apesar da valorização do real diante do dólar, que reduz a competitividade dos produtos da pauta de exportações brasileira, o agente de mercado John Laurino, da empresa de comércio exterior Unit Brazil, de São Paulo, afirma que há espaço para elevar a venda do mel brasileiro no mercado internacional. A avaliação foi feita em palestra a coordenadores e gestores de 26 projetos de apicultura apoiados pelo Sebrae em 20 estados brasileiros, nesta terça-feira (7), em Brasília.

Na palestra, Laurino destacou que o aumento das exportações de mel e de derivados como própolis e cera está vinculado à resolução de gargalos na cadeia produtiva nacional. "Temos um tesouro na mão e dentro de cinco anos o Brasil, que hoje é o sétimo produtor mundial, estará com uma produção igual à da Argentina, que atualmente detém o terceiro lugar", disse.

Atualmente 6.639 produtores são atendidos pelo Sebrae. Juntos, produzem cerca de 3,3 mil toneladas anuais, o que corresponde a 10% da produção nacional oficial, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). "Precisamos atuar no restante da cadeia produtiva da mesma forma que o Sebrae tem feito com uma parcela que representa 10% da produção nacional. Portanto, ainda há 90% para atingirmos", aponta.

Responsável por realizar o intercâmbio entre compradores estrangeiros e entrepostos brasileiros de mel de abelhas e cera, Laurino abordou quatro pontos que, em sua avaliação, precisam ser trabalhados para elevar e qualificar a produção nacional. "São questões que não dependem da variável macroeconômica relacionada ao preço do real diante do dólar, mas de uma melhor organização da cadeia produtiva", alerta.

Uma das questões a serem equacionadas está relacionada à falta de uma estratégia comum entre apicultores e entrepostos de mel e cera. Segundo o agente de mercado, é preciso que esses dois componentes da cadeia produtiva atuem de forma mais integrada em torno de um interesse comum: elevar a exportação brasileira de mel. "É preciso disseminar conceitos de aliança estratégica entre esse dois elos".

Na avaliação do agente de mercado, outras questões que precisam ser trabalhadas são a falta de pontualidade dos produtores na entrega do mel, infra-estrutura precária de exportação e controle sanitário sobre a extração, manipulação e transporte do mel. "O Sebrae já faz um trabalho fantástico com os produtores na questão sanitária, com a formação dos Agentes de Desenvolvimento Rural (ADR), que levam informações aos apicultores. É preciso encontrar formas de ampliar esse trabalho para o restante da cadeia", recomenda o especialista.

Câmara Setorial
Para Laurino, uma das estratégias para ampliar o atendimento à cadeia produtiva do mel está na criação da Câmara Setorial do Mel, que funcionária no âmbito do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). "A Câmara Setorial envolveria todos os atores em busca de soluções comuns, e o momento é propício para sua criação", assinala.

No fim de outubro, uma reunião realizada na sede do Sebrae Nacional, em Brasília, com representantes do Mapa e da cadeia produtiva da apicultura deu início às negociações em torno da criação da Câmara Setorial. "É uma das medidas que estão sendo avaliadas para elevar o consumo de mel no mercado interno e criar melhores condições para o produto no mercado externo", destacou Reginaldo Resende, da coordenação nacional da Carteira de Projetos da Apicultura pelo Sebrae.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)