Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

19/10/2016 19:00

Especialista alerta para possibilidade de Brasil não cumprir acordo de clima

Agência Câmara

O secretário-executivo do Observatório do Clima, Carlos Rittl, alertou nesta terça-feira (18) no Congresso Nacional para a possibilidade de o Brasil não reduzir significativamente neste ano a emissão de gases estufa.

Rittl participou de audiência pública promovida pela Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas sobre a participação brasileira no Acordo do Clima de Paris, documento que visa reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa e conter o aumento da temperatura média global. Os convidados falaram sobre a possibilidade de ajustar as metas brasileiras nos próximos anos.

O secretário do fórum de 40 ONGs brasileiras que lidam com questões climáticas e ambientais observou que, segundo uma nova metodologia de aferição, as emissões brasileiras foram subestimadas. “Dessa forma, se mantidos os objetivos percentuais do Acordo de Paris, o País não contribuirá com uma redução significativa. Nossa conta com o clima é maior do que a gente imaginava. Se aplicarmos apenas o percentual de redução, considerando o que foram as nossas emissões de fato, podemos inferir que o Brasil 'ganhou uma licença' para emitir milhões de toneladas a mais. É necessário um esclarecimento”, esclareceu Rittl.

Ao ratificar o Acordo de Paris no último dia 12, o Brasil se comprometeu a reduzir em 37% suas emissões de gases estufa até 2025 (em relação ao montante registrado em 2005), e em 43% até 2030. Os demais 194 países signatários também estabeleceram metas próprias. O conjunto dos esforços internacionais visa conter o aquecimento global, limitando o aumento da temperatura do planeta nos próximos anos em 2°C.

Segundo os dados considerados para elaboração das metas, o Brasil emitiu, em 2005, 2,1 bilhões de toneladas de gases estufa. No entanto, de acordo com a metodologia atualizada apresentada por Rittl, foram 2,8 bilhões toneladas — 33% a mais.

Os percentuais de redução, se aplicados sobre o número considerado pelo Acordo de Paris, levariam o País a patamares de 1,3 bilhões e 1,2 bilhões de toneladas de gases em 2025 e 2030, respectivamente. Os mesmos percentuais aplicados sobre o número atualizado resultariam em 1,8 bilhões e 1,6 bilhões de toneladas, efetivamente permitindo ao Brasil emitir mais gases poluentes do que o necessário para cumprir os objetivos do tratado.

Ajustes na meta
Rittl pediu que, em vez de estabelecer objetivos percentuais de redução, o Brasil passe a adotar uma meta absoluta de emissões nos anos-base do Acordo de Paris. Dessa forma, o País garantiria a sua parte da cooperação internacional independentemente da métrica utilizada para se medir a sua atual pegada de carbono.

Ele afirmou ser possível demonstrar que o País pode alcançar essas metas sem grandes esforços. “Temos um conforto para fazer ajustes na meta agora sem acrescentar qualquer ação e sem nenhum constrangimento perante a comunidade internacional.”

As metas do Acordo de Paris entrarão em vigor apenas em 2020. Até lá, no entanto, os países signatários podem rever e alterar por iniciativa própria os seus compromissos.

O chefe da divisão de Mudança do Clima do Ministério das Relações Exteriores, Luiz de Andrade Filho, disse que o acordo é um “diálogo permanente” na comunidade internacional. Ele reconheceu a possibilidade de mudanças, mas observou que elas dependem de regras e procedimentos que ainda estão sendo discutidos.

Andrade disse também que o cumprimento das metas dos países será verificado a partir de mecanismos de transparência que ainda estão sendo regulamentados. O Brasil, segundo ele, foi um dos países mais ativos no estabelecimento de regras rígidas de transparência e accountability.

O vice-presidente da comissão, senador Cristovam Buarque (PPS-DF), presidiu a audiência pública e deixou aos participantes e espectadores um questionamento sobre a viabilidade de se cumprir as metas, sejam as atuais ou as futuras, sem que se promovam mudanças profundas nos padrões de consumo da sociedade.

Requerimento
Após a audiência, a comissão votou requerimento do presidente, deputado Daniel Vilela (PMDB-GO). O parlamentar convida o professor Roberto Schaeffer, do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe-UFRJ), para debater o tema da insuficiência das metas brasileiras no Acordo de Paris.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)