Cassilândia, Domingo, 20 de Agosto de 2017

Últimas Notícias

17/01/2009 12:13

Especial: Código Civil tem mais de 100 modificações

Agência Câmara

Sancionado em janeiro de 2002, o novo Código Civil (Lei 10.406/02) completa sete anos com mais de 100 projetos de lei em tramitação que pretendem alterá-lo. Alguns geram polêmica e já aguardam decisão há anos, como o PL 1151/95, que disciplina a união civil entre pessoas do mesmo sexo. Apresentada pela ex-deputada Marta Suplicy antes da elaboração do novo código, a proposta volta a ser debatida todos os anos, mas segue aguardando inclusão na pauta do Plenário.

Em 2008, a Câmara aprovou modificações importantes no Código Civil, como a guarda compartilhada dos filhos de pais separados (PL 6350/02); o uso do FGTS para quitar consórcio de imóvel (PL 7161/06); cadastros e novas regras para a adoção de crianças e adolescentes (PL 6222/05); e revisões periódicas das interdições judiciais por doença ou deficiência mental (PL 2439/07).

Consolidação
Os trabalhos em 2009 devem começar pelo PL 4343/08, do deputado Sérgio Barradas Carneiro (PT-BA), que foi o responsável, no Grupo de Trabalho de Consolidação das Leis, por compilar as regras relacionadas ao Código Civil e espalhadas em outras legislações. Essa sistematização não deve mudar o código em si, mas evitará a duplicidade de regras sobre o mesmo assunto.

Questões de família, como a separação judicial e o divórcio, passarão a ser reguladas integralmente pelo Código Civil e pelo Código de Processo Civil (Lei 5.869/73), revogando, por exemplo, a Lei do Divórcio (Lei 6.515/77) e a de Investigação de Paternidade (Lei 8.560/92). Os dispositivos ainda em vigor nessas leis passarão a integrar os dois códigos.

Somente o deputado Barradas Carneiro é autor de outros seis projetos (504, 505, 506, 507, 508 e 2285, todos de 2007) de alteração do código. Os temas incluem pensão alimentícia; direitos sucessórios iguais para companheiros de união estável; paternidade; e solução de conflitos durante a separação.

Família
Além da união entre pessoas do mesmo sexo, outras alterações no Código Civil foram propostas para a organização familiar. O PL 1779/03, do deputado Giacobo (PR-PR), institui um novo tipo de estado civil: o "convivente", para quem participa de uma união estável fora do casamento formal. E o PL 674/07, do deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), estabelece o estado civil dos participantes de união civil como "consorte".

Já o PL 1839/03, do deputado Luciano Castro (PR-RR), substitui o regime de comunhão parcial de bens pela separação de bens na união estável, enquanto os PLs 6149/05 e 3005/04 estabelecem procedimentos para facilitar a conversão da união estável em casamento.

O PL 4082/08 determina que o jovem deverá concordar com a sua emancipação iniciada pelos pais. O objetivo é evitar que a emancipação sirva apenas para os pais se livrarem da obrigação de sustento do filho.

Suspensão de casamento
O PL 3064/08, do deputado Cleber Verde (PRB-MA), inclui o ex-cônjuge entre as pessoas que podem pedir a suspensão do novo casamento do ex-parceiro. O código dá esse direito apenas a parentes dos noivos.

O objetivo do deputado é proteger os bens do casamento anterior que ainda não foram legalmente divididos entre os divorciados, pois é possível que o casal se separe judicialmente mesmo sem formalizar a partilha dos bens.

Direitos individuais
Três projetos (7124/02, 1443/03 e 1914/03) regulamentam a reparação por dano moral, ao definir os critérios para punir a calúnia e a difamação. A possibilidade de grande variação nos valores e os possíveis abusos na definição das indenizações têm sido apontados como pontos fracos do Código Civil.

O PL 3378/08, do deputado Antonio Palocci (PT-SP), garante a liberdade de divulgar imagens e informações biográficas de personalidades públicas. Segundo o autor, o objetivo é assegurar a liberdade de informação e expressão. Atualmente, o código só permite a divulgação de imagens e informações pessoais quando autorizada pela pessoa exposta, ou por seus representantes após seu falecimento.

Outro projeto (PL 2945/08), do deputado Carlos Bezerra (PMDB-MT), pretende deixar claro que ninguém pode ser forçado a realizar tratamento médico ou cirúrgico em nenhuma situação, mesmo que esteja correndo risco de vida. Bezerra argumenta que a redação atual é dúbia, pois embora o direito de recusar tratamento já exista ele pode ser burlado. Há casos como os de movimentos religiosos que não aceitam a transfusão de sangue, por exemplo.

De autoria do deputado Fernando Coruja (PPS-SC), o PL 2685/07 altera para "alcoolistas" e "dependentes de drogas" a nomenclatura do Código Civil, que atualmente usa as expressões "ébrios habituais" e "viciados em tóxicos". O deputado diz que o objetivo é evitar qualquer conotação de preconceito ou discriminação.

Consumidor
O PL 2876/08, do deputado Davi Alves Silva Júnior (PDT-MA), obriga as empresas de transporte terrestre a restituir 60% do valor da passagem ao usuário que não embarcar. Caso comprove que outra pessoa foi transportada em seu lugar, o passageiro terá direito à restituição do valor integral do bilhete. Silva Júnior lembra que o Código Civil já prevê a restituição, mas apenas se a desistência for anunciada antes da viagem.

As multas pelo atraso no pagamento de condomínio, aluguel e tarifas públicas, como água, luz e telefone, também podem ser limitadas. Há nada menos que doze propostas sobre o tema (2667/96, 2241/96, 2727/97, 4675/01, 1006/03, 1199/03, 1323/03, 1382/03, 2476/03, 3106/08, 3122/08 e 3694/08).

Oito projetos (1088/03, 1130/03, 1136/03, 1287/03, 1495/03, 1687/03, 2175/03 e 4369/08) preveem a garantia de que o segurado receba indenização proporcional ao valor total de sua apólice, em caso de atraso ou inadimplência. Os percentuais e prazo para quitação das apólices variam entre os projetos, mas a possibilidade de receber indenização proporcional ao pagamento hoje não existe.

Processos
O PL 2411/07, do deputado Eliene Lima (PP-MT), prevê uma nova hipótese para resolver conflitos de patrimônio privado relacionados ao Código Civil. O projeto permite que a transação civil (uma modalidade de acordo) encerre até mesmo disputas levadas à Justiça. Ela será feita por instrumento particular, ou seja, por contrato escrito e assinado pelas partes. Atualmente, a transação por instrumento particular só pode ser feita em caráter preventivo, para evitar uma ação judicial.

Já o PL 2028/07, do deputado Regis de Oliveira (PSC-SP), determina que o domicílio processual das pessoas físicas será aquele declarado à Justiça Eleitoral. No caso das pessoas jurídicas, será o endereço fornecido à Receita Federal. A proposta também permite que a citação do réu seja sempre feita pelos Correios, dando ao autor da ação o direito de pedir o uso de outra modalidade. O eleitor será responsável pela atualização de seu endereço.

Contratos
O PL 4090/08, da deputada Elcione Barbalho (PMDB-PA), considera extinto o contrato de alienação fiduciária (modalidade na qual a pessoa usa o bem antes de ele estar quitado, como no caso do leasing) quando o objeto do acordo não mais existir, seja por motivo de força maior, por furto ou roubo.

De acordo com Elcione Barbalho, o projeto restabelece uma tradição antiga, em que o depositário não responde por ocorrências alheias à sua vontade. Ela lembra que essa regra já vale para outros tipos de contrato previstos no Código Civil.

Uma proposta tem o objetivo de impedir que pessoas físicas sejam avalistas e fiadoras: o PL 3524/08, do deputado Ratinho Junior (PSC-PR), permite apenas a pessoas jurídicas esse tipo de compromisso em contratos e dívidas. O parlamentar considera que essa forma de garantia tem levado famílias inteiras à ruína e tem sido nociva quando usada por pessoas de má-fé.

Extinção
O PL 3619/08, do deputado Carlos Bezerra (PMDB-MT), permite a extinção de um contrato quando houver desequilíbrio entre o devedor e o credor, tornando a prestação a ser paga muito cara. Atualmente o código já permite a anulação, mas por motivos imprevisíveis. Bezerra lembra que, durante o período de escalada da inflação no Brasil, não era possível extinguir os contratos porque a alta de preços se tornou cotidiana e deixou de ser imprevisível. Segundo ele, a mudança é necessária para esses casos.

Empresas
O PL 3871/08, do deputado Juvenil (PRTB-MG), permite o uso de sentença arbitral para excluir um integrante de sociedade civil quando este cometer falta grave ou for incapaz de cumprir suas obrigações. A arbitragem é um mecanismo para resolver litígios sem um processo judicial, embora guarde as mesmas garantias. Atualmente, o Código Civil permite a exclusão de sócio apenas por via judicial.

O deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR) propôs duas mudanças de quorum para decisões em empresas. O PL 1632/07 permite modificações do contrato social, como a transferência total ou parcial de cotas de sócios, por maioria absoluta de votos. Atualmente, isso só pode ser feito por deliberação unânime dos sócios. E o PL 1633/07 define a maioria do capital como regra para a tomada de decisões, dando aos integrantes de sociedades limitadas liberdade para fixar quorum diferenciado em certas deliberações.

O PL 6243/02, do falecido deputado Max Rosenmann, cria uma hipoteca abrangente como modalidade de garantia para operações de crédito. Pela proposta, o mutuário, mesmo que não tenha dívidas no presente, pode registrar uma hipoteca em favor da instituição financeira de sua escolha para garantir dívidas futuras, acelerando a liberação de recursos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 20 de Agosto de 2017
Sábado, 19 de Agosto de 2017
20:38
Para o fim de semana
10:00
Receita do dia
Sexta, 18 de Agosto de 2017
Quinta, 17 de Agosto de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)