Cassilândia, Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017

Últimas Notícias

21/12/2015 07:18

Escondidas em roupas de menino, irmãs voltam para casa 1 ano depois de abuso

Paula Maciulevicius , Campo Grande News
Irmãs voltaram para casa na quinta-feira passada. (Foto: Gerson Walber)Irmãs voltaram para casa na quinta-feira passada. (Foto: Gerson Walber)

 

Foi um ano longe de casa, 2 meses no SOS Criança para depois viverem o restante do período num abrigo. Irmãs, elas têm 2 anos de diferença e uma cumplicidade além dos laços sanguíneos. Para sobreviver em casa e depois fora dela elas precisaram se "armar" de uma linguagem própria e se esconder atrás de vestimentas de menino. Abusadas pelo próprio pai, foi a mãe que denunciou o caso e viu as meninas serem levadas. O último ano passou muito devagar para os dois lados da história, unidos por uma só vontade: de voltarem a morar debaixo do mesmo teto.

É o primeiro caso de desacolhimento que o Lado B acompanha. As personagens dessa história não podem ser identificadas, nem mãe e nem filhas. A mais velha tem 16 e a outra, 14. Depois que a mãe denunciou o abuso que elas sofriam, a juíza da Vara da Infância e Juventude, Katy Braun, direcionou as irmãs para o abrigo Casa Meninas e Meninos dos Olhos Deus, especializado em acolher vítimas de abuso, exploração sexual ou tráfico de pessoas.

Na última quinta-feira elas deixaram a casa que chamaram de “sua” durante quase um ano. Nas últimas horas antes de voltar à viver com a mãe, as meninas nem se sentavam. A ansiedade era tamanha que contam até que a noite, foi pra lá de mal dormida.


Diretora da casa, Zuleica Marques é quem atende a gente primeiro e quem descreve, em detalhes as mudanças sofridas, dentro e fora das meninas. Quando chegaram ali, as irmãs não se comunicavam por palavras. “Elas só se falavam pelo olhar e uma com a outra”, conta a diretora. Foi preciso terapia e afeto para que elas aceitassem um pouco do carinho dali.

No começo o sentimento era sinônimo de constrangimento. E Zuleica explica o porque. A mãe delas sofre um leve retardo mental e as meninas cresceram sem saber ao certo os limites de carinho, violência, descuido e abuso. Um jogo de palavras que não combina, em nada, com um lar.

A mãe, mesmo com esse nível de retardo, apontado pelo abrigo, conseguiu reagir e denunciou. Num instinto de proteção. E quando isso aconteceu, entraram pela porta duas meninas que pareciam escondidas atrás da vontade de serem o oposto.

“Elas tinham um toquinho de cabelo – nosso trabalho é recebe-las e amá-las independentemente de como elas chegam”, explica Zuleica. De início, abrigo e Juizado pensaram que se tratava de uma questão de identidade de gênero, mas foram notando que não.

“Uma das tendências do abuso é de levar a pessoa abusada a se defender de alguma maneira e muitas se defendem assim. Querendo ser feia, diferente. Elas eram ‘dois meninos’. Se portavam, se vestiam, andavam como meninos”, descreve a diretora.

Se fosse a questão da identidade de gênero, não haveria problema, explicam. No entanto, quando questionadas quem cortou as madeixas, as meninas responderam que foram elas mesmas.

No primeiro instante, a diretora explica que foram trabalhadas nas irmãs a autoestima, resiliência e saber diferenciar o que pode e o que não pode e como se defender. Para ser uma ideia, as duas estavam fora da escola e a mais velha, tinha 12 graus de miopia. Ou seja, precisava de óculos urgentemente.

Elas não chegaram a dizer com todas as letras, como, onde e quantas vezes o abuso aconteceu. O que a diretora conseguiu, através de terapia e tempo, foi saber que os episódios se repetiam há anos. A mais nova não chegou a se abrir da mesma forma que a irmã, o que leva a crer o abrigo que o pai não “consumou” nada. O que não foge, pela lei de hoje, do estupro.


Aos poucos as meninas se abriram para o mundo das palavras, para a divisão de espaço com outras crianças e até para deixar os cabelos crescerem.

O caminho para voltar à casa foi de imediato, tomado pela mãe que lutou, foi atrás e entregou até a estabilidade financeira, razão pela qual inúmeras mulheres por aí suportam a violência, a fim de poder ter as filhas de volta. Ao mesmo tempo em que as irmãs foram acolhidas ali, abrigo e Juizado começara também a acolher a família com entrevistas com psicólogos e assistentes sociais.

Em cima da principal necessidade da mãe, de sair de perto do pai e mais uma sequência de visitas e acompanhamentos, a volta começou a ser trilhada e aí que chegamos à última quinta-feira. Um recomeço para todas.

“Diante de todo esse trabalho com a família a gente viu que a mãe se preocupava com as meninas e as queria de volta, o que é um ponto primordial. Ela perguntava o que poderia fazer para mudar e seguiu as orientações”, explica Zuleica.

Às vésperas de voltar para a casa, as meninas já estão bem mais soltas do que quando ali colocaram os pezinhos pela primeira vez. Antes timidez, agora nervosismo. E aos risos, confessam isso.

A mais velha adora Ciências, a caçula divide a paixão com o Português, mas acima disso, as meninas sonham em serem médicas veterinárias. Por gostarem muito de bichinhos, a primeira coisa que lhes vêm à cabeça é se o cachorro continua lá.

Os cabelos crescendo aparece mais nas roupas coloridas, apesar das meninas gostarem muito de saia e shorts, vestiam jeans para voltar pra casa. Em sacolas, sacos e mochilas, estavam poucos pertences e o material escolar. O que não cabia nelas era o sorriso de felicidade, de voltar para casa e para a mãe.

O endereço da casa nova era surpresa e a primeira coisa que elas fariam: abraçar e mãe e conversar com o irmão mais velho. “Falar que eu estava com saudades...” diz a mais velha.

Sobre o que mais sentiram falta este tempo todo está a casa própria e a mãe. “A gente acordava e ela não estava lá...” Apesar de toda tristeza passada ali, as meninas não se comovem ao lembrar passado e nem nos minutos antes de embarcar no carro.

A caçula conta que o que mais gosta de fazer era ouvir música, em especial, uma de Regis Danese, que pede a Deus para abençoar a família. A menina não canta, apenas resume a mensagem da canção e diz que era o que pedia todas as noites. Resposta de partir o coração.

A mãe vive de uma pequena aposentadoria e tem consciência do que era o abrigo bater à porta naquela tarde. A casa simples no bairro oposto onde elas moravam antes estava limpinha, seguindo as orientações do abrigo. Agora faltam móveis para mobiliar, como guarda-roupa para as meninas, geladeira e um computador.

O abrigo e o Juizado continuam o acompanhamento intenso por seis meses. As meninas entendem que é preciso cuidar da mãe e a gente percebe isso quando elas posicionam a senhora de costas, para ela entender quase num desenho, que para a fotografia não podia lhe aparecer o rosto.

Voltar pra casa, num vocabulário de quem tem tanto a sentir e tão pouco falado, as três resumem que agora é só felicidade.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 18 de Agosto de 2017
Quinta, 17 de Agosto de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)