Cassilândia, Terça-feira, 23 de Maio de 2017

Últimas Notícias

12/10/2004 10:55

Erro médico: STF mantém decisão que condena a União

STF

Em decisão proferida hoje (11/10), o ministro Celso de Mello, do STF, negou provimento a Agravo de Instrumento (AI 455846) e manteve decisão do Tribunal Regional Federal (TRF) da 2ª Região, do Rio de Janeiro, que condenou a União a indenizar família de menor, vítima de erro médico. Os pais deverão receber R$ 144 mil de indenização em razão de o filho ter sofrido afundamento frontal do crânio, edema cerebral e contusão hemorrágica - lesões decorrentes de nascimento por fórceps, em hospital público.

Em recurso extraordinário (RE) contra a decisão do TRF, a União sustentou a ocorrência de força maior "apta a descaracterizar o nexo causal entre a conduta do agente público e o dano causado ao menor". O RE não foi admitido pela segunda instância, levando a União a ajuizar o recurso de Agravo de Instrumento no STF. Na análise da ação, o relator alegou impossibilidade de reexame de provas e negou provimento ao pedido.

Celso de Mello fundamentou sua decisão dizendo que o acórdão recorrido ajusta-se à jurisprudência do STF, baseada na análise do artigo 37, parágrafo 6º da Constituição Federal. A norma consagra a teoria do risco administrativo que pressupõe a responsabilidade civil objetiva do Poder Público. Essa teoria impõe o "dever de indenizar a vítima pelos danos sofridos, independentemente de caracterização de culpa dos agentes estatais", explica o relator.

O ministro ressalta, ainda, que o dever de indenizar aplica-se ao caso do recém-nascido, já que o dano ocorreu em hospital público e a responsabilidade recai sobre o Estado. Além disso, reafirmou a presença de todos os fundamentos caracterizadores do dano moral, como o nexo causal entre a conduta do agente e o dano sofrido, e a ausência de exceções previstas na lei (culpa da vítima, caso fortuito ou força maior).

O relator assinalou também que o valor da indenização imposta (R$ 144,8 mil) observou "a necessária correlação entre o caráter punitivo da obrigação de indenizar e a natureza compensatória para a vítima".

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 23 de Maio de 2017
Segunda, 22 de Maio de 2017
21:25
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)