Cassilândia, Quarta-feira, 23 de Maio de 2018

Últimas Notícias

23/03/2006 08:28

Erro é reparado pela Justiça

Murilo Pinto/STJ

Luisa H. F., condenada erroneamente no lugar da homônima Luiza H. F. pelo crime de duplicata simulada, obteve habeas-corpus para anular todo o processo e o cancelamento dos registros criminais sobre si. A decisão é da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O Tribunal de Justiça fluminense havia extinto, por maioria, o pedido de revisão criminal de Luisa, em razão da ilegitimidade da requerente. O TJ-RJ afirmou que o meio adequado para ressalvar os direitos do homônimo condenado seria o habeas-data, e a revisão criminal só poderia ser pedida pelo próprio condenado.

Luisa mora em Nova Iguaçu (RJ) e Luiza no bairro carioca da Pavuna. Além disso, as qualificadoras (CPF, carteira profissional e filiação, por exemplo) são todas diferentes. Mesmo tendo sido encontradas, nos órgãos de identificação civil e na Receita Federal, mais de oito homônimas, não foram realizadas diligências para verificação da verdadeira acusada pelo delito.

A então requerente, afirma o voto vencido do relator do pedido de revisão no TJ, desembargador Nestor Ahrends, só soube da condenação após se apresentar para votar, quando foi surpreendida com a impossibilidade de exercer seu direito de cidadã em razão da suspensão de seu título. Ao se dirigir ao cartório eleitoral para apurar o fato, tomou conhecimento de ser a condenação a quatro anos e seis meses de reclusão o motivo da suspensão.

"Havendo, como no caso, a condenação de um acusado indefeso, não resta dúvida de que a sentença foi proferida contrariamente ao texto expresso da lei penal e mesmo da Constituição Federal, que garante aos acusados a ampla defesa, com os meios e os recursos a ela inerentes", concluiu o desembargador, que votava pela anulação do processo e sua renovação a partir da denúncia para que passe a constar a verdadeira acusada e se cancelem os registros criminais contra a homônima.

O parecer do Ministério Público Federal (MPF) foi no mesmo sentido do voto vencido do relator no TJ-RJ, e o ministro Nilson Naves, relator do habeas-corpus, acolheu tais manifestações para conceder a ordem na mesma extensão do voto do desembargador Ahrends

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 23 de Maio de 2018
Terça, 22 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Segunda, 21 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)