Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

12/02/2004 14:02

Entidades que ensinam deficientes receberão dinheiro

Agência Senado
Cassilândia NewsCassilândia News


O Senado aprovou o projeto de lei de conversão (PLV n° 3/04) que substitui a Medida Provisória n° 139/03 e institui o Programa de Atendimento Educacional Especializado aos Portadores de Deficiência (Paed), no âmbito do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. O projeto tem por objetivo universalizar a educação dos portadores de deficiência, tanto em instituições especializadas como nas escolas públicas regulares. O projeto foi à sanção presidencial.

A principal inovação é que o dinheiro será repassado diretamente pela União às entidades sem fins lucrativos, como as Associações de Pais e Amigos de Excepcionais (Apaes) e as sociedades Pestalozzi, de forma proporcional ao número de alunos. O repasse, no entanto, está condicionado à aprovação de programa de aplicação pelos Conselhos Municipais de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e Valorização do Magistério (Fundef).

O relator, senador Hélio Costa (PMDB-MG), disse que a proposta “tem o mérito de incentivar a cooperação entre os setores público e privado e de aumentar o volume de recursos aplicados na educação especial”, como é tendência em todos os países modernos. O senador José Jorge (PFL-PE) lembrou que a MP em questão teve origem no veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao projeto de lei n° 21/03, aprovado por unanimidade na Câmara e no Senado, que autorizava a destinação de verbas do Fundef diretamente às instituições privadas especializadas na educação de excepcionais. “O veto, no fim do ano passado, disputou e ganhou o Prêmio Berzoini de crueldade”, disse José Jorge.

- A indignação de toda a sociedade com o veto foi tão grande que o governo ficou com vergonha e o retirou da página oficial na Internet, onde estão todos os vetos presidenciais - disse José Jorge. O senador do PFL acrescentou que a medida provisória é pior do que o projeto de lei original, porque não destina dinheiro da União diretamente às escolas especializadas. O dinheiro, na verdade, era destinado ao Fundef, explicou José Jorge. “O objetivo é atender às exigências do FMI, de superávit primário, e com isso o governo nega R$ 8 milhões por ano à educação de excepcionais”, criticou o senador. O relator, Hélio Costa, disse que o presidente da República, ao vetar o projeto anterior, foi “induzido a erro” pelo Ministério da Fazenda, que o considerou ilegal.

Por sua vez, o senador Romeu Tuma (PFL-SP) disse que a proposta tem uma grande virtude: inicia o processo de retorno das crianças excepcionais às escolas públicas convencionais.

- Houve um erro histórico, de discriminar as crianças excepcionais, deficientes, e retirá-las do ensino público convencional - disse Tuma.

O senador Flávio Arns (PT-PR) elogiou e defendeu a aprovação da MP, que ele considera um grande avanço. “Recupera o PDDE, Programa Dinheiro Direto na Escola, essencial para o bom funcionamento das entidades comunitárias, lhes dá dignidade”, afirmou Arns. O senador lembrou também que a Holanda, recentemente, fez um plebiscito para decidir se as escolas para deficientes deveriam ser públicas, estatais ou comunitárias. “Venceu o conceito de que essas instituições devem ser comunitárias, com apoio do poder público, o que é a melhor solução”, disse Arns.

Dados do Censo Escolar de 2003 apontam a existência de 358.898 alunos deficientes na faixa a ser coberta pela educação infantil e o ensino fundamental (1ª à 8ª séries). Desse total, 219.823 crianças, ou 61,2%, estudam em escolas criadas por entidades privadas sem fins lucrativos. O proposta aprovada deverá garantir atendimento a 92.443 alunos, 48,7% do total de alunos deficientes.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)