Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

29/03/2015 15:30

Entidades de MS querem sistema para monitorar venda e uso de agrotóxicos

Crea-MS, Iagro e MPT discutem a criação desse novo sistema. Objetivo será monitorar desde profissionais até pontos de venda.

Cam

Instituições da sociedade civil e órgãos e entidades do Poder Público estão discutindo a criação de um sistema de monitoramento do comércio e uso de agrotóxicos em Mato Grosso do Sul. Na semana passada foi promovida mais uma reunião neste sentido com representantes do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea-MS), da Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro) e do Ministério Público do Trabalho (MPT).

Nesta última reunião, o engenheiro agrônomo e fiscal da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Luiz Angelo Pasqualin, apresentou as instituições sul-mato-grossenses a experiência do Sistema de Monitoramento do Comércio e Uso de Agrotóxicos em seu estado, o Siagro. Ele disse que o sistema está em funcionamento desde 2011 e que possui em seu banco de dados desde informações sobre os profissionais habilitados a prescrever o uso dos defensivos até os estabelecimentos que podem comercializar esses produtos.

O presidente do Crea-MS, Dirson Freitag, aponta que o sistema será um avanço para os profissionais. “Os avanços que pretendemos implantar no receituário agronômico visam facilitar o trabalho de quem o prescreve e a verificação da efetiva participação do profissional na recomendação, que deve estar na base desse procedimento”, destacou.

Já a vice-diretora presidente da Iagro, Marina Dobashi, afirmou que o atual sistema de controle realizado pela agência é manual, mas que já existe um trabalho sendo desenvolvido para que, a exemplo da guia de trânsito animal eletrônica (e-GTA), o sistema para registro na área de agrotóxicos esteja em funcionamento em breve. “Há algumas questões ligadas à legislação para regulamentação do sistema que devem ser alinhadas, mas que já estão sendo debatidas”, disse.

Por sua vez, o procurador do MPT Leontino Lima Júnior, disse que o objetivo do ministério público é fazer com que se crie um sistema que possibilite o controle efetivo do que é comercializado e utilizado atualmente. “Acredito que com o sistema atual não há como se fazer um controle eficaz. O novo sistema deverá filtrar as possibilidades de fraude, organizar dados do que é vendido e de quem receitou, além de permitir um mapeamento das regiões mais consumidoras de agrotóxicos e quais produtos são mais comercializados, por exemplo”, concluiu.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)