Cassilândia, Sábado, 26 de Maio de 2018

Últimas Notícias

04/01/2007 15:33

Entenda como "surgiram" R$ 17 milhões a mais na dívida

Graciliano Rocha / Campo Grande News

A reação da equipe econômica do governo federal ao não-pagamento da parcela da dívida do Estado veio rápida e enérgica. Depois do governo de Mato Grosso do Sul não pagar os R$ 27,9 milhões da parcela referente a dezembro, a STN (Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda) quer agora receber R$ 45 milhões. Os cerca de R$ 17 milhões “extra” que azedaram o semblante de André Puccinelli (PMDB) na manhã desta quinta-feira vieram de um cálculo intrincado da dívida.

A dívida do Estado (R$ 6,1 bilhões) é regida por dois contratos diferentes. Um é baseado nas regras da rolagem da lei nº 8727, de 1993, e estabelece que o Estado deve pagar uma prestação de 11% da sua receita corrente líquida no dia 20 de cada mês.

O outro contrato, fundamentado na lei 9496, a rolagem de 1996, estabelece que Mato Grosso do Sul deverá pagar prestação de 15% de sua receita corrente líquida no dia 30 de cada mês. Por uma questão de tentar preservar a solvência dos Estados os 15% da receita são o limite do pagamento.

Na prática, funciona assim: todo dia 20, MS faz um depósito de 11% da receita para pagar a dívida com a União (contrato da lei 8727) e no dia 30 um novo depósito com a diferença para atingir os 15%. Em dezembro, o Estado deveria ter depositado cerca de R$ 20 milhões no dia 20 e mais R$ 7,9 milhões no dia 30 – atingindo os 15%.

Como não fez uma coisa nem outra, agora a STN quer receber os R$ 20 milhões do dia 20 de dezembro mais R$ 24,9 milhões referentes ao pagamento do dia 30 (que deveria ter sofrido o abatimento da primeira prestação).

“Isso é tudo conseqüência do não-pagamento da dívida”, resume o procurador-geral do Estado, Rafael Coldibelli Francisco, que está analisando os contratos com um grupo de advogados. Coldibelli disse que ainda está estudando que medidas o Estado pode tomar, mas acompanha atentamente o desenrolar das negociações entre o Puccinelli e o governo federal. “Se for necessário, vamos entrar na justiça”.

O bloqueio - Antes de viajar para Brasília, Puccinelli disse que os repasses federais ao Estado já estão bloqueados desde ontem à noite. Quando viajou, o governador não conhecia em termos exatos como a dívida tinha se multiplicado dos R$ 27,9 para os R$ 45 milhões.

Em termos políticos e financeiros, o bloqueio e os R$ 17 milhões “extra” deterioram significativamente a posição de Puccinelli na conversa com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em outros termos, isso equivale a uma negociação com a faca no pescoço do devedor.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 26 de Maio de 2018
Sexta, 25 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quinta, 24 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)