Cassilândia, Quinta-feira, 24 de Maio de 2018

Últimas Notícias

16/09/2015 12:00

Entenda como a CPMF pode afetar seu bolso

Band

O governo apresentou uma proposta do retorno da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), na tarde desta segunda-feira, com o objetivo de ajustar as contas públicas. A medida, segundo o ministro da Fazenda Joaquim Levy, seria provisória e não afetaria "tanto" a população. Entretanto, segundo o especialista em finanças e colunista da Band Marcos Silvestre, o tributo pode impactar sim no bolso do consumidor.

O que é?

Para falar sobre o imposto, o primeiro passo é entender que a CPMF é um imposto descontado em cima de qualquer movimentação financeira. A alíquota seria de 0,20%, o que é inferior ao valor original, de 0,38%.

A CPMF será, segundo o governo, responsável por metade do ajuste nas contas públicas e, de acordo com Levy, será provisória, com uma duração de quatro anos.

Para passar pelo Congresso, a PEC que recria a CPMF precisa ser aprovada em dois turnos tanto na Câmara quanto no Senado, sendo necessário quórum de 3/5 dos parlamentares.

Quando foi criado?

No ano de 1996, foi criada a CPMF, mas só em 1997 que a contribuição entrou em vigor, com alíquota de 0,2%.

Em junho de 1999, a CPMF foi prorrogada até 2002, sendo que a alíquota passou a ser de 0,38%, e o objetivo alegado para essa elevação foi o de ajudar nas contas da Previdência Social.

Em janeiro de 2008, após votações na Câmara e no Senado, cobrança de 0,38% relativa à contribuição deixou de ser feita a partir do dia 1º do mês.

Para o colunista econômico do “Café com Jornal”, Marcos Silvestre, a medida é positiva porque mostra uma preocupação do governo em equilibrar as contas para 2016, mas, para ele, falar que a alíquota é “só de 0,20% é uma afirmação leviana”.

Silvestre também revelou que esperava soluções mais criativas para a crise econômica do Brasil.

No programa, ele explicou como a CPMF têm impactos na população mais fortes do que o dito por Joaquim Levy. Ele, inclusive, deu um exemplo: “quando uma empresa vai pagar o fornecedor, ela tem um desconto de 0,20%. Quando paga o funcionário mais 0,20% porque tira dinheiro da conta para fazer isso. Depois, o funcionário tira o salário para colocar na poupança e paga mais 0,20%”. “Só nessa brincadeira, o imposto pode chegar em 1%”, completou.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 24 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quarta, 23 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)