Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

04/03/2016 08:50

Enfraquecimento de medidas contra Aedes permitiu reintrodução do inseto no país

Agência Brasil

 

O desenvolvimento de uma vacina para a febre amarela, nos anos 30, e a erradicação do mosquito transmissor da doença, o Aedes aegypti, na década de 50, fez com que o governo relaxasse as medidas de controle do mosquito, o que permitiu sua reintrodução no país no final da década de 60, afirmou o professor do Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), Delsio Natal.

Em evento promovido pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, o professor apresentou um panorama da trajetória do mosquito no Brasil, desde o século17, quando houve a primeira campanha contra a febre amarela no país. O presidente da associação participou do evento e ressaltou que problemas de infraestrutura e de abastecimento de água favorecem a proliferação do mosquito.

“Nós não vamos conseguir erradicar o mosquito, precisamos baixar a densidade dele”, disse o professor, ao avaliar que uma segunda erradicação seria muito difícil, além de dispendiosa. “Agora nós vamos ter que controlar as epidemias, controlar as doenças que estão chegando, que é o mais imediato e talvez sufocar a epidemia com algum método, alguma técnica”.

Segundo Natal, os métodos que já existem para combate ao Aedes aegypti funcionam e só dependem de uma gestão correta para sua eficácia. “Falta muita gente [especializada] nos municípios, falta muito técnico. A maioria dos municípios não tem nem entomologista [que estuda os insetos] nas equipes”, disse.

O presidente da associação disse que um grande desafio do saneamento no Brasil é a coleta e distribuição de água e esgoto de forma adequada e eficaz. Segundo ele, a responsabilidade recai sobre o governo federal, mas ele acredita que os governos estaduais e municipais poderiam fazer mais sobre a questão.

“Não conseguiremos fazer obras de esgoto em dois anos, mas é importante que se faça a reestruturação do setor, fortalecendo os planos municipais e reestruturando também as empresas estaduais”, disse.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)