Cassilândia, Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017

Últimas Notícias

19/06/2015 11:08

Empresas devem arcar com danos morais por falso carimbo e assinatura

Redação

Sentença proferida pela 16ª Vara Cível da Capital julgou procedente a ação movida por funcionário de sindicato contra empresa de material de construção e escritório de contabilidade, declarando falsa a assinatura atribuída ao autor da ação e do carimbo da entidade sindical que representa, além do pagamento de R$ 10.000,00 por danos morais.

Alega o autor que é diretor financeiro do sindicato e que é de sua atribuição a homologação de rescisões de contratos dos trabalhadores do comércio local, o que deve ser feito obrigatoriamente na presença do empregado.

Sustenta que os réus teriam falsificado o termo de homologação de um ex-funcionário da empresa de materiais de construção, no que se refere ao carimbo da entidade sindical e à sua assinatura. Afirma o autor que registrou um boletim de ocorrência sobre o caso.

Na ação pediu que seja declarada falsa a assinatura, como também o carimbo do sindicato inseridos no homologação da rescisão de contrato em questão, além da condenação dos réus ao pagamento de danos morais.

Em contestação, os réus sustentaram que a fraude teria sido praticada por um ex-funcionário do escritório de contabilidade, sem que eles tivessem participação nisso. Pediram que o suposto responsável pela fraude passasse a integrar o processo. Argumentaram também que não podem ser responsabilizados por ato ilícito praticado por outra pessoa e que não há comprovação de que a fraude tenha ocorrido dentro de seus escritórios.

Em análise dos autos, o juiz titular da vara, Marcelo Andrade Campos Silva, concluiu que, de fato, a assinatura e o carimbo do sindicato em questão são falsos, logo deve ser declarada a falsidade pretendida pelo autor.

Quanto aos danos morais, entendeu o magistrado que “também restam evidenciados, vez que o evento abalou a credibilidade do autor perante a instituição sindical que representa, pois levou a crer que houvesse homologado termo de rescisão arbitrariamente, sem a presença do empregado e em desacordo com as leis trabalhistas”.

Por fim, frisou o juiz que “ainda que a fraude possa ter sido cometida sem autorização dos réus, por um ex-funcionário, o que se admite hipoteticamente, eis que nada provaram nesse sentido, têm o dever de indenizar, pois são responsáveis pelos atos de seus prepostos, no exercício do trabalho que lhes competir, ou em razão dele, a luz do art. 932, do Código Civil”.

Processo nº 0822174-69.2014.8.12.0001

Autor da notícia: Secretaria de Comunicação - imprensa@tjms.jus.br

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 23 de Novembro de 2017
Quarta, 22 de Novembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 21 de Novembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)