Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

17/07/2013 18:36

Empresa é condenada a devolver valor pago em ações por cliente

TJMS

Sentença homologada pela 3ª Vara do Juizado Especial Central de Campo Grande julgou procedente a ação movida por D.H.M.R. contra uma empresa de telecomunicação, condenada a restituir ao autor o valor que ele pagou por uma participação financeira a qual nunca viu os resultados, arbitrada em R$ 19.630,98, devendo o valor ser corrigido pelo IGPM/FGV, a contar da propositura da demanda, mais juros de mora, nos moldes do Artigo 406 do Código Civil, estes a contar da data da citação.

Narra o autor da ação que no dia 20 de maio de 1994 fechou com a ré contrato de Participação Financeira em Programa Comunitário de Telefonia, o que lhe dava direito às novas ações de uma prestadora de serviços telefônicos, tendo pago na época CR$ 162.200,00.

O autor alega, no entanto, que apesar de ter direitos previstos no contrato feito entre as partes, nunca chegou a receber qualquer valor referente às ações daquela companhia de telecomunicações. Deste modo, pediu a devolução de todos os valores pagos no investimento, na quantia atualizada de R$ 19.630,98.

Regularmente citada, a empresa de telecomunicação compareceu às audiências de conciliação, ofereceu defesa e requereu a improcedência do pedido feito pelo autor.

Conforme a sentença homologada, é possível analisar no contrato feito entre as partes que a empresa de telecomunicação “deve retribuir em ações, ou mesmo em dinheiro, devidamente atualizado, à medida da participação financeira do recorrente”.

Desta forma, a empresa de telecomunicação deverá restituir o autor em dinheiro ou em ações, sendo que, se há previsão contratual nesse sentido, ele deverá ser cumprido, pois todo o acervo do sistema telefônico implantado foi transferido à empresa ré, e o autor com recursos próprios financiou a implantação da rede que levou a linha até sua residência.

Por fim, é possível analisar ainda que, “para que não fosse exigível a integralidade da restituição pleiteada, deveria a requerida ter trazido prova no sentido de que o autor não havia quitado o contrato. Tanto se poderia comprovar tal assertiva por notificações, ou mesmo por avisos e o próprio corte no fornecimento dos serviços, o que não se depreende dos autos”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)