Cassilândia, Quarta-feira, 29 de Março de 2017

Últimas Notícias

27/07/2015 18:09

Em protesto contra a crise, prefeituras vão fechar às portas no dia 10

Priscilla Peres, Campo Grande News

No próximo dia 10 de agosto, sexta-feira, as 79 prefeituras de Mato Grosso do Sul prometem fechar às portas em protesto a crise econômica pela qual estão passando. Também nesse dia, os prefeitos prometem lançar uma campanha para esclarecer a população sobre as dificuldades financeiras.

Eles alegam que a culpa da crise econômica é do governo Federal e para explicar isso à população, vão investir em cartazes e panfletos, além de entrevistas. As estratégias foram definidas em reunião na Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), em Campo Grande.

O presidente da entidade, Juvenal Neto (PSDB), reconhece que a situação está difícil para todos, mas acredita que é importante divulgar quais as obrigações constitucionais de cada governo, sendo prefeitura, Estado e União. “O governo passa o mel na boca dos prefeitos e depois tira”, reclamou Juvenal Neto, referindo-se aos programas sociais do governo federal que, segundo ele, estabelece prioridades, mas não indica a fonte de recursos para o custeio.

O dirigente que esteve em Brasília hoje, participando de reunião da CNM (Confederação Nacional de Municípios), considera que é uma crise grande já que, por exemplo, para se manter uma equipe do PSF (Programa Saúde da Família) são necessários R$ 50 mil por mês, mas o governo federal só repassa R$ 10 mil.

“Uma merenda escolar de qualidade custa R$ 2,30 a refeição por aluno, mas o governo federal só repassa R$ 0,30 centavos, então como você fecha essa conta?", questionou Juvenal Neto, ao apontar outras deficiências da administração pública por conta do cenário econômico atual.

Arrecadação - Segundo a Assomasul, o repasse do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) nos meses de junho e julho deste ano registrou um prejuízo de 28% em relação a maio.

Em maio, as 79 prefeituras dividiram R$ 95,281 milhões em FPM, incluindo R$ 2,895 milhões de transferência da chamada “estimativas de receitas”, cujo repasse é efetuado uma vez por ano como resultado de diferenças de valores acumuladas a cada mês.

Junho fechou em R$ 82,883 milhões ou 10% a menos dos valores repassados no mês maio, o que representa um prejuízo de R$ 15,623 milhões aos cofres públicos. A queda prevista para julho em relação ao mês de junho é de R$ 16,9%.

As prefeituras também alegam que têm para receber R$ 135 milhões dos chamados “restos a pagar” do orçamento de 2013 e 2014, porém o governo Federal sinaliza que não vai pagar a partir do contingenciamento feito pela presidente Dilma Rouseff (PT).

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 29 de Março de 2017
Terça, 28 de Março de 2017
21:41
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)