Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

27/07/2015 18:09

Em protesto contra a crise, prefeituras vão fechar às portas no dia 10

Priscilla Peres, Campo Grande News

No próximo dia 10 de agosto, sexta-feira, as 79 prefeituras de Mato Grosso do Sul prometem fechar às portas em protesto a crise econômica pela qual estão passando. Também nesse dia, os prefeitos prometem lançar uma campanha para esclarecer a população sobre as dificuldades financeiras.

Eles alegam que a culpa da crise econômica é do governo Federal e para explicar isso à população, vão investir em cartazes e panfletos, além de entrevistas. As estratégias foram definidas em reunião na Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), em Campo Grande.

O presidente da entidade, Juvenal Neto (PSDB), reconhece que a situação está difícil para todos, mas acredita que é importante divulgar quais as obrigações constitucionais de cada governo, sendo prefeitura, Estado e União. “O governo passa o mel na boca dos prefeitos e depois tira”, reclamou Juvenal Neto, referindo-se aos programas sociais do governo federal que, segundo ele, estabelece prioridades, mas não indica a fonte de recursos para o custeio.

O dirigente que esteve em Brasília hoje, participando de reunião da CNM (Confederação Nacional de Municípios), considera que é uma crise grande já que, por exemplo, para se manter uma equipe do PSF (Programa Saúde da Família) são necessários R$ 50 mil por mês, mas o governo federal só repassa R$ 10 mil.

“Uma merenda escolar de qualidade custa R$ 2,30 a refeição por aluno, mas o governo federal só repassa R$ 0,30 centavos, então como você fecha essa conta?", questionou Juvenal Neto, ao apontar outras deficiências da administração pública por conta do cenário econômico atual.

Arrecadação - Segundo a Assomasul, o repasse do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) nos meses de junho e julho deste ano registrou um prejuízo de 28% em relação a maio.

Em maio, as 79 prefeituras dividiram R$ 95,281 milhões em FPM, incluindo R$ 2,895 milhões de transferência da chamada “estimativas de receitas”, cujo repasse é efetuado uma vez por ano como resultado de diferenças de valores acumuladas a cada mês.

Junho fechou em R$ 82,883 milhões ou 10% a menos dos valores repassados no mês maio, o que representa um prejuízo de R$ 15,623 milhões aos cofres públicos. A queda prevista para julho em relação ao mês de junho é de R$ 16,9%.

As prefeituras também alegam que têm para receber R$ 135 milhões dos chamados “restos a pagar” do orçamento de 2013 e 2014, porém o governo Federal sinaliza que não vai pagar a partir do contingenciamento feito pela presidente Dilma Rouseff (PT).

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)