Cassilândia, Domingo, 20 de Maio de 2018

Últimas Notícias

28/09/2014 15:17

Em Porto Murtinho, trajetória é de tragédias e de reconstrução

Campo Grande News
Cemitério em grande enchente de 1979 em Porto Murtinho. (Foto: Roberto Higa)Cemitério em grande enchente de 1979 em Porto Murtinho. (Foto: Roberto Higa)

O naufrágio de um barco-hotel na semana passada fez reviver as lembranças de várias tragédias que marcaram a história de Porto Murtinho, município de 16 mil habitantes, a 431 quilômetros de Campo Grande, à beira do Rio Paraguai e na fronteira com o país vizinho. Desde a fundação do município em 1912, uma sequencia de enchentes de grandes proporções mudou a vida da população e ao revirar os baús, descobrimos que o registro de um tornado e de mortos em naufrágios não é inédito, apesar da memória oficial ser falha.

De acordo com o historiador Braz Antonio Leon, em 1959 um tornado parecido com o do dia 24 de setembro de 2014 atingiu Porto Murtinho. Na época, o fenômeno natural destruiu parte da cidade, incluindo a sede da fábrica Florestal Brasileira, que extraía a matéria-prima tanino, da madeira quebracho, e exportava a substância. Apesar dos estragos, não há registros de mortos. “Eu lembro disso, era muito menino, mas lembro que foi muito parecido com o tornado de agora e destruiu várias casas”, relembra o atual prefeito do município, Heitor Miranda (PT).

Pouco tempo depois, na década de 1960, o rebocador Taquari, que transportava funcionários da Florestal Brasileira e madeira afundou, deixando 28 mortos. Segundo o professor Braz, a embarcação estava muito pesada e o acidente foi técnico, devido a um cabo que se rompeu em uma curva do rio Paraguai, entre a ilha Margarida e a colônia Carmello Peralta. A curiosidade é que o acidente de mais de 50 anos atrás ocorreu no mesmo local do naufrágio da semana passada. “O barco e a madeira nunca foram tirados de dentro do rio”, comenta Braz.

"Cidade de Lona"-Entre 1970 a 1990, a cidade enfrentou quatro enchentes, sendo a maior delas em 1982 quando a população se mudou para o quilômetro 6 e foi formada a Cidade de Lona. No mesmo ano foi construído o dique de contenção ao redor da cidade, o que evitou outra inundação na cheia do rio Paraguai em 1988, uma das mais graves já registradas.

A construção do dique, inaugurado em 1985, colocou Porto Murtinho como uma das únicas cidades no mundo a ter uma estrutura do tipo circundando toda a cidade, mas não apenas isso. A obra foi repleta de denúncias de irregularidades, incluindo desvio de verbas.

Em 2008, o dique recebeu uma nova obra de recuperação, que também teve seu episódio trágico. Parte do concreto ruiu e foi parar no rio. Em outro deslizamento, na mesma época, um operário de 45 anos morreu. Foi aberta uma investigação, que acabou concluída sem apontar responsabilidades. Prevista para 2011, a reforma do dique foi entregue no ano passado, ao custo de R$ 7,6 milhões, segundo divulgado, com recursos da União e do Governo do Estado.

Lembranças – Paraguaia de nascença, mas murtinhense de coração, Eugênia Fleitas dos Santos de 71 anos, conta que presenciou todas as cheias do Rio Paraguai e que o naufrágio da última quarta-feira faz relembrar as tragédias vividas. “Na hora você lembra de tudo que a gente passou. Mas agora parece pior, por ter matado tanta gente “, diz dona Eugênia.

As buscas pelas vítimas do naufrágio provocaram comoção e reuniram muitos curiosos à beira do rio. Dona Eugênia preferiu não ver de perto. “Eu já perdi um filho e sei como isso é triste. Não gosto de ver esse sofrimento, prefiro ficar aqui rezando por eles”.

Para a senhora, a pior situação pela qual já passou em Porto Murtinho foi na enchente de 82 quando se mudou com toda a família para a Cidade de Lona. “O rio sobe devagar e deu tempo de mudar a cidade inteira pra lá. Deixei a minha casa e fui para o acampamento com meu marido e os filhos pequenos, onde ficamos por uns cinco meses até a água baixar”, relembra dona Eugênia.

Para o historiador Braz Leon, as tragédias fazem parte da história do município. “A cidade nasceu de um período pós-guerra e de lá pra cá foram vários episódios. Toda a dificuldade fortaleceu o povo que aprendeu a se recuperar e reconstruir suas vidas”, afirma.

Em meio às notícias ruins, um povo alegre- Apesar de tantas tragédias em sua trajetória, Porto Murtinho tem, também, uma cultura de festa. É a única cidade do estado a fazer o "Touro Candil", festa com a disputa das torcidas dos touros Encantado e Bandido, uma evidência da mistura da cultura brasileira e dos vizinhos paraguaios.

Porto Murtinho é, também, destino turístico frequente de pescadores, atraídos pelos peixes e pelas belezas do Pantanal. Quem vai à cidade é recebido com um por-do-sol como o da imagem abaixo.

 

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 20 de Maio de 2018
Sábado, 19 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)