Cassilândia, Sexta-feira, 13 de Dezembro de 2019

Últimas Notícias

20/11/2019 08:20

Em MS, 36 mil pessoas já desistiram de procurar emprego

Campo Grande News

O desalento ou desânimo em procurar emprego porque não tem esperanças de que irão encontrar atinge 36 mil pessoas com 14 anos ou mais no Estado. Os dados fazem parte da Pesquisa Trimestral do IBGE, divulgada hoje. O levantamento aponta que o percentual de pessoas desalentadas na população na força de trabalho ampliada foi de 2,4% e se manteve estável com o trimestre anterior e com o mesmo trimestre de 2018.

Esta vibe negativa atinge principalmente os jovens e as mulheres e um dos principais motivos é o período de recessão no país, que já dura mais de 5 (cinco) anos, que leva ao enfraquecimento da economia. Isso gera escassez de emprego e uma inércia no mercado, que, com dificuldade de reação, forma um círculo vicioso culminando na escassez de oferta de emprego formal e alta rotatividade nos quadros das empresas.

Vendedor de segunda a sexta e locutor de rodeio durante os fins de semana, Jeferson Cristiano, de 28 anos, faz parte do grupo daqueles que abriram mão de procurar emprego com registro em carteira. “Nem se o cara me ligar oferecendo. Mando ir embora”, brinca.

Jeferson conta ter trabalhado de maneira formal apenas em 2016. Antes disso ele tinha trabalhado de maneira informal. Por esse motivo ele diz ter sido “autônomo a vida inteira”.
Segundo ele, o motivo de ter se adaptado tão facilmente ao emprego informal é o rendimento. “Tiro de R$ 2 mil a R$ 3 mil por mês trabalhando 8 horas por dia”, declara. Ele comercializa brinquedos, além de água e refrigerante.

Quem também perdeu o interesse de trabalhar com carteira assinada há anos é a vendedora Luciene Souza Lima, de 42 anos. O último registro, segundo ela, é de 2009 quando atuou como cozinheira em uma empresa. O emprego durou apenas cinco meses porque ela não aguentou a rotina. “Ter horário para acordar, ver todos os dias as mesmas pessoas não é pra mim”.

Luciene começou vendendo chocolates, depois passou para salgadinhos, sanduíches naturais e hoje comercializa geladinho, sempre no centro da Capital. Com o salário ela disse, com orgulho, ter sustentado os dois filhos e até comprado a própria casa.

 

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 13 de Dezembro de 2019
Quinta, 12 de Dezembro de 2019
Quarta, 11 de Dezembro de 2019
10:00
Receita do Dia
09:00
Santo do Dia
Terça, 10 de Dezembro de 2019
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)