Cassilândia, Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

Últimas Notícias

12/05/2015 08:55

Elevação do custo do boi magro pode ser entrave para os confinadores este ano

Famasul

Como ocorre tradicionalmente, após o fim das chuvas, começa o confinamento de gado no Estado de Mato Grosso. Segundo boletim do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), embora o retorno do confinamento seja mais baixo em relação a 2014, a margem de lucro ainda deve ser atrativa neste ano.

Tomando por base a diária de R$ 5,50, um boi magro a R$ 1.681,19 e o valor da arroba de R$ 136,15, negociada para outubro de 2015, o Instituto calcula uma margem R$ 136,54 por cabeça, o que significa rentabilidade 48,54% menor que 2014.

Com base neste cálculo, o Imea prevê um ano mais difícil para os confinadores, em razão do alto custo do animal magro que valorizou 33,78% entre o 1º trimestre de 2014 e o 1º trimestre de 2015. Além de medidas para se proteger das oscilações negativas mais drásticas na arroba boi gordo, por meio de contrato futuro ou a termo, uma boa compra de animais e alimentação, aliada ao bom controle de gastos, também é importante para garantir o melhor retorno da atividade, segundo o órgão.

“Esperamos que esse ano o haja uma manutenção do número de animais confinados em Mato Grosso, que pode apresentar uma leve alta em relação a 2014”, afirma Fábio da Silva, gerente de Projetos da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat).

“O cenário traçado pelo Imea no Boletim Semanal da Bovinocultura de Corte é animador, já que expõe uma rentabilidade positiva para a estratégia de terminação. Porém, na opinião da Acrimat, a reposição dos animais (70% do custo) pode prejudicar a estratégia de terminação no cocho. Para se ter uma ideia, o boi magro está com um preço 20% maior que no ano passado”, analisa.

Por outro lado, Silva afirma que a oportunidade de aquisição dos insumos alimentares (milho e farelo de soja) é boa.

“Há ainda a possibilidade de que, com a chegada da segunda safra de milho ao mercado, o preço diminua, o que favoreceria o confinador. O confinamento deve ser tratado como um negócio, ou seja, é preciso avaliar os preços dos animais de reposição e dos insumos necessários à atividade, sempre com foco na renda do produtor”, salienta.

ESTOQUE

Segundo relatório recente da Associação Nacional de Confinadores (Assocon), que entrevistou 85 confinadores, entre os dias 9 e 27 de fevereiro passado, os produtores tinham em estoque, há dois meses, 530.588 animais garantidos para a produção deste ano, o equivalente a 64,04% do total, estimado em 828.485 bovinos. Isto significa um incremento de 7,65% em relação aos 769.600 animais que eles produziram em 2014.

De acordo com a Assocon, parte dos confinadores relatou problemas para produzir animais com preços atrativos e considerou a nutrição como o grande gargalo, na época da pesquisa. Conforme a análise, prevalecia certo otimismo em relação aos preços do boi gordo no primeiro semestre deste ano, porém o segundo semestre reserva incertezas, por causa do risco de queda de demanda no mercado interno.

Embora a expectativa de crescimento em 2015 seja positiva, o gerente executivo da Assocon, Bruno Andrade, cita dois gargalos: a dificuldade dos confinadores para adquirir animais para o confinamento, em razão do alto custo do boi magro (reposição); e a baixa produtividade, em alguns casos.

“Em relação aos entrevistados da Assocon, apenas parte dos animais está garantida para a safra de 2015. Ou seja, é necessário adquirir mais 298 mil animais para cumprir a meta de produção, que é de 828 mil animais”, calcula.

O gerente ainda destaca que, em 2015, a disponibilidade é menor que em anos anteriores, mas existem animais para reposição.

“O preço é o grande travador de novos negócios. A procura está grande e a oferta de animais de reposição está ajustada, porém o setor tem a seu favor os altos valores da arroba do boi gordo, padronização da produção e a possibilidade de fechamento de acordos melhores com a indústria”, pontua Andrade.

5 MILHÕES DE CABEÇAS

Expandindo os números apurados no levantamento da Assocon para o total nacional, a estimativa da entidade é de 4,478 milhões de animais confinados em 2015. Mais otimista, a Agroconsult estima que, neste ano, os pecuaristas brasileiros devem confinar 5 milhões de cabeças, o que pode significar um aumento de 400 mil cabeças, se comparado com o ano passado.

Fonte: SNA - Sociedade Nacional de Agricultura

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 21 de Novembro de 2017
Segunda, 20 de Novembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)