Cassilândia, Sábado, 20 de Outubro de 2018

Últimas Notícias

25/05/2018 08:00

Eletricista vai receber adicional de periculosidade por manutenção em locomotiva

TST

 

Um eletricista que realizava a manutenção de componentes elétricos na locomotiva em funcionamento, com o gerador de energia elétrica em operação, teve reconhecido o direito ao adicional de periculosidade. A Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho não conheceu do recurso da MGE Equipamentos e Serviços Ferroviários Ltda., mantendo, assim, decisão que a condenou a pagar o adicional.

O eletricista trabalhou por um curto período de trabalho na MGE, de pouco mais de um ano, e afirmou que nunca recebeu o adicional de insalubridade, embora estivesse sujeito ao contato acidental com as partes energizadas do equipamento e exposto ao risco permanente de sofrer choque elétrico. Por isso, pediu o pagamento do adicional em grau máximo.

O pedido foi julgado improcedente em primeiro grau, e o eletricista recorreu ao Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região (ES), alegando que a perícia confirmou que suas atividades envolviam a manipulação de equipamentos energizados. Com base no laudo, o Regional entendeu que, se o risco durante as tarefas era evidente, o fato de a atividade não constar do quadro de atividades/área de risco do anexo do Decreto 93.412/1986 não retirava o direito ao adicional.

Para o TRT, o que define o direito do empregado ao adicional é a circunstância de o exercício da função impor ao trabalhador a obrigação de exposição à situação de risco, seja qual for o tempo durante o qual executa a atividade. Reformando a sentença, o Regional condenou a MGE a pagar o adicional no valor de 30% do salário do eletricista.

A relatora do recurso da MGE ao TST, ministra Delaíde Miranda Arantes, disse que, embora o Regional não tenha adotado o tempo de exposição como critério para o pagamento do adicional, é possível compreender, pela própria função, que o eletricista estava constantemente exposto ao risco. A ministra lembrou que a matéria já está pacificada no TST (Orientação Jurisprudencial nº 347 da SDI-1 e Súmula 361), e que a SDI-1 tem considerado que a permanência habitual em área de risco, ainda que por tempo reduzido, não caracteriza contato eventual, e sim intermitente, com risco potencial de dano efetivo ao trabalhador. Isso porque, segundo a ministra, a aferição do potencial de risco demanda o exame não apenas da quantidade de minutos, mas principalmente o tipo de agente perigoso ao qual é exposto o trabalhador, sobretudo porque esse adicional não visa remunerar o infortúnio, mas o risco a que se expõe.

(Lourdes Côrtes/CF)

Processo: RR-145200-96.2006.5.17.0012

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 20 de Outubro de 2018
11:00
Mundo Fitness
09:00
Santo do Dia
Sexta, 19 de Outubro de 2018
09:00
Santo do Dia
04:16
Cassilândia
Quinta, 18 de Outubro de 2018
11:00
Mundo Fitness
09:00
Santo do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)