Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

15/07/2006 09:12

Educação susta norma sobre novo currículo para Direito

Agência Câmara

A Comissão de Educação e Cultura aprovou na quarta-feira (12) o Projeto de Decreto Legislativo 2227/02, do deputado Fleury (PTB-SP), que susta os efeitos do Parecer Normativo 146/02, elaborado pela Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação (CNE).
Esse parecer diminui de cinco para três anos a duração dos cursos de Direito e apresenta proposta de novo currículo para o curso de graduação de Direito, em substituição ao prescrito pela Portaria 1886/94, do Ministério da Educação.

Afirmações vagas
De acordo com o relator, deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), o Conselho Nacional de Educação estabeleceu seus parâmetros por meio de parecer que, na prática, alterou conteúdos curriculares comuns, que são significativos sobretudo para a área do ensino jurídico.
Na sua avaliação, as "diretrizes curriculares tornaram-se sinônimo de um vago conjunto de afirmações de princípios gerais, do tipo 'estimular o conhecimento lógico', 'habilidades específicas', e outras frases de efeito semelhantes, que nada impõem em termos de conteúdos curriculares comuns às instituições de ensino superior".
Por esta razão, segundo Bonifácio, os cursos de Direito ficam sob diretrizes curriculares confusas e diferentes, que se afastam das exigências de um ensino jurídico adequado à formação profissional do advogado. Ele acredita que, se o Parecer 146/02 não perder seus efeitos nocivos, corre-se o risco de as instituições ficarem desobrigadas de organizar os currículos com matrizes necessárias à melhor preparação acadêmica.

Conteúdo mínimo
Segundo o autor do PDC, deputado Fleury, o Parecer 146/02 não define o conteúdo mínimo do curso jurídico e das matérias profissionalizantes; permite a criação indiscriminada de cursos jurídicos, com prazo máximo de conclusão de três anos; e termina com a exigência de acervo bibliográfico mínimo para a criação de novas faculdades de direito; além de abolir a obrigatoriedade na elaboração de monografia de conclusão de curso.
"Não bastasse isso, o parecer fixa diretrizes comuns voltadas a cursos absolutamente distintos, como são as hipóteses de hotelaria, turismo, música, dança, teatro, design, secretariado executivo e direito", critica Bonifácio de Andrada.

Tramitação
O projeto ainda será votado pelo Plenário.



Reportagem - Newton Araújo Jr.
Edição - Renata Tôrres

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)