Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

28/06/2005 09:38

Educação em Direitos Humanos começa na escola

Agência Notisa

Segundo a coordenadora do Conselho Nacional de Educação em Direitos Humanos, ninguém nasce violento, mas pode tornar-se a partir das relações sociais que possui.

A participação da escola na formação de cidadãos é vista hoje como uma das formas de diminuir a violência dentro e fora do âmbito escolar. A realidade brasileira, permeada por desigualdades, dificulta a ação de profissionais que buscam dar início a um movimento que prioriza a valorização do ser humano.
Dentro deste contexto – e cumprindo exigências das Organizações das Nações Unidas (ONU) – o Governo Federal criou, em 2003, o Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. De acordo com a professora Aida Monteiro, coordenadora do Conselho Nacional de Educação em Direitos Humanos, durante a 3ª Jornada Escola e Violência da Febf/UERJ (que vai até quinta-feira), um dos principais objetivos da criação do Comitê é a elaboração do Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos, que se propõe a contribuir para a construção de uma cultura voltada aos direitos fundamentais dos indivíduos, envolvendo segmentos sociais diversos, órgãos públicos e privados, além de diferentes esferas de governo.

Costuma-se dizer que educação começa na escola. Aida afirma que os educadores têm "papel importantíssimo" na formação da personalidade dos estudantes. Muitos alunos só se alimentam quando vão à escola, outros convivem com situação de extrema miséria e violência em casa e na comunidade em que vivem. "Ninguém nasce violento. Nós aprendemos a ser violentos a partir de nossas relações sociais. Portanto, educar visando ao respeito com o outro e justiça social é uma das responsabilidades da escola", afirmou a professora.

A manutenção dos direitos humanos é uma das principais formas de construção e preservação da democracia. No entanto, na América Latina, as desigualdades –sob todas as suas formas – ainda não permitem grandes avanços nesse sentido.
Segundo dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), entre as 19.000 pessoas pesquisadas em 18 países, mais de 54% afirmaram que aceitariam um regime totalitário, se ele fosse capaz de resolver os problemas econômicos do seu país. Aproximadamente 56% dos entrevistados disseram que o desenvolvimento econômico é mais importante do que a democracia. "Precisamos mudar esta estatística. Este ainda é o melhor regime para garantir o respeito aos direitos fundamentais do ser humano", disse Aida.



Agência Notisa (jornalismo científico - science journalism)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)