Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

09/09/2011 16:11

Educação e distribuição de renda ajudam a diminuir casos de gravidez na adolescência

Agência Notisa

Agência Notisa – O Brasil possui quase um milhão de mães adolescentes entre 15 e 19 anos, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2008. Frente à magnitude desses dados, o artigo “Um estudo sobre as mães adolescentes brasileiras”, publicado este ano na Physis: Revista de Saúde Coletiva, buscou investigar como a condição socioeconômica e o nível de escolaridade se associam à gravidez precoce.



O estudo desenvolvido pela pesquisadora do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Maria Salet Ferreira Novellino analisou, através de dados da PNAD de 2001 e 2008, os casos de gestação na adolescência nas faixas etárias de 15 a 17 anos e dos 18 aos 19 anos. Segundo os dados coletados, em geral o número de mães adolescentes caiu em ambos os grupos, porém foi observado um crescimento nas ocorrências de gravidez precoce nas classes mais pobres.



Ao analisar o número de salários mínimos por família, a pesquisa relatou que, nas famílias com maior faturamento econômico, a maioria das jovens ainda não tinha filhos, enquanto nas camadas mais populares a prevalência era de adolescentes que tiveram uma gravidez precoce. O estudo também mostrou que a frequência escolar cai significantemente no caso das mães adolescentes, por exemplo, na faixa etária de 15 a 17 anos, em que 90% das jovens sem filhos frequentavam o colégio contra apenas 30% das que já eram mães. Além disso, o casamento precoce foi mais frequente nas famílias com renda inferior, enquanto jovens com melhor condição econômica mantiveram-se solteiras.



A pesquisa explica que a gravidez na adolescência proporciona maiores riscos de mortalidade para a mãe e filho. “A maternidade precoce continua a ser um impedimento para avanços nos status educacional, econômico e social das mulheres em todas as partes do mundo”, acrescenta a autora. “Para as mulheres jovens, casamento e maternidade precoces podem reduzir severamente oportunidades de estudo e de trabalho e é provável que tenham um impacto longo e adverso na qualidade de vida dessas adolescentes e de seus filhos”, afirma no estudo.



Porém, o artigo alerta que é preciso analisar a questão para além dessa causalidade simplista. “Pode-se afirmar que abandono da escola e não-participação na força de trabalho, no que diz respeito às mães adolescentes brasileiras, é uma consequência não só da maternidade e dos compromissos decorrentes que elas têm que assumir, mas também da classe de renda do domicílio onde vivem”, afirma a pesquisadora.



Para Maria Salet, é preciso considerar que as oportunidades de estudo e de trabalho já são limitadas pelas origens socioeconômicas das jovens de baixa renda e não apenas pelo fato de precisarem de tempo para cuidar dos filhos. “No que tange às políticas públicas, a melhoria da condição de vida das mães adolescentes e seus filhos não se daria pela diminuição de seu número, mas por políticas de inclusão, em termos de compatibilizar educação formal e cuidado com filhos, de preparação para o mercado de trabalho e da oferta de equipamentos e serviços de cuidados com seus filhos” , comenta.





Para ver o artigo na íntegra, acesse: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312011000100018&lang=pt.



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)