Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

11/11/2004 07:53

Economista defende nova política para salário mínimo

Agência Câmara

A necessidade de se adotar no País uma política permanente de avaliação do valor do salário mínimo foi a principal conclusão do primeiro ciclo de debates sobre o assunto, realizado hoje pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público. A economista Maria da Conceição Tavares defendeu que o salário mínimo seja reajustado com base na projeção da inflação dos próximos 12 meses, levando em conta ainda a expectativa de aumento do Produto Interno Bruto (PIB) per capita. O PIB per capita é soma das riquezas do País produzidas no ano e divididas pela população.
Ela sugeriu ainda que seja adotado um fator corretivo, que deverá ser acionado quando não forem cumpridas as metas da inflação. "O salário mínimo precisa ser acompanhado permanentemente e o Congresso Nacional não deve ter medo de discutir o assunto", afirmou a economista.
Tavares criticou os cálculos adotados para a concessão do reajuste por serem baseados em dados passados. Ela também rebateu os argumentos de que o aumento do mínimo causa impacto nos cofres da Previdência Social. Maria da Conceição ressaltou que o equilíbrio das contas da Previdência depende da criação de novos postos de trabalho, que são resultado do crescimento econômico.

Jovens e mulheres
A assessora especial do Ministério do Trabalho e Emprego, Paula Montagner, afirmou que há consenso dentro do Governo sobre a necessidade de se implementar uma política de médio e longo prazo de recomposição do salário mínimo.
Citando dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE (PNAD), Montagner informou que 9% da população brasileira dependem direta ou indiretamente do salário mínimo. Das 79,2 milhões de pessoas que compõem a população economicamente ativa (PEA), 7,5 milhões recebem um salário mínimo, sendo que a região Nordeste apresenta a pior situação - 67% da PEA recebem apenas um salário mínimo. A maior proporção está entre os jovens de 16 a 24 anos e mulheres, em sua maioria atuando como empregados domésticos e autônomos. Ainda segundo o PNAD, 58% dos aposentados - 6,1 milhões, recebem um salário-mínimo. Dados de 2003 do Seguro-Desemprego indicam que, dos 5 milhões de beneficiados, 22% recebiam um salário mínimo.
Embora reconheça que o salário mínimo no País é baixo, Paula Montagner lembra que esse é o único segmento que consegue preservar o poder de compra.

Próximos debates
Ao fechar o encontro, o presidente da Subcomissão do Salário Mínimo, deputado Tarcísio Zimmermann (PT-RS), explicou que o ciclo de debates pretende oferecer subsídios para a Câmara apresentar uma proposta consistente e sustentável de recomposição do valor do salário. Segundo cálculos do Dieese, quando foi criado, há 40 anos, o salário mínimo valia o equivalente a R$ 1.500. "Queremos chegar em abril com uma proposta que impeça a desvalorização do salário mínimo", assegurou.
Zimmermann anunciou os temas dos próximos debates:
17/11 - "A realidade do salário mínimo nos países desenvolvidos";
24/11 - "Qual o salário mínimo necessário?";
1/12 - "Os impactos do SM nas contas públicas: previdência dos governos estaduais e municipais";
8/12 - "Diretrizes para uma política sustentável de valorização do SM".
O tema do debate de hoje foi "Salário Mínimo: contribuições para um diálogo propositivo.



Reportagem - Mauren Rojahn
Edição - Ana Felícia

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)