Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

15/07/2005 07:08

É Tri-color: veja toda a trajetória do SP até o tri

CBF News

O São Paulo venceu o Atlético Paranaense por 4 a 0 nesta quinta-feira à noite, no Morumbi, e conquistou o tricampeonato da Taça Libertadores da América.

Vencedor em 1992/1993 e agora em 2005, o São Paulo se tornou o único clube brasileiro a conquistar três vezes a competição. Amoroso, Fabão, Luisão e Diego Tardelli marcaram os gols da vitória do São Paulo sobre o Atlético Paranaense.


A trajetória do São Paulo na conquista do tricampeonato

O São Paulo iniciou a década de 90 de maneira consagradora. Campeão brasileiro, em 1991, o que lhe deu o direito de disputar a Taça Libertadores do ano seguinte, o time paulista viveu seu apogeu sob o comando de Telê Santana. Em campanhas difíceis, chegou ao bicampeonato da Libertadores e do Mundial Interclubes, em 1992/1993.


A trajetória vitoriosa do São Paulo na Libertadores começou em 1992, em que o outro representante do Brasil foi o Criciúma, que tinha sido campeão da Copa do Brasil. Os dois times ficaram no Grupo II, completado pelo Club Deportivo San José e Bolívar Independiente Unificada, ambos da Bolívia.

O regulamento do torneio previa que se classificavam os três primeiros colocados de cada grupo. Na segunda, terceira fase e semifinais, haveria confronto direto em jogos eliminatórios de ida e volta até que se conhecessem os dois finalistas.

O São Paulo iniciou a participação na Libertadores sem saber se priorizava essa competição ou o Estadual. No primeiro jogo, representado por um time misto, foi derrotado pelo Criciúma, em Santa Catarina, por 3 a 0.

Nas duas partidas seguintes, na altitude da Bolívia, já com o time completo, o São Paulo derrotou o San José por 3 a 0, em grande noite de Palhinha, autor dos três gols, e empatou com o Bolívar em 1 a 1.

O quarto jogo foi contra o Criciúma, no Morumbi, e o São Paulo devolveu a derrota do jogo em Santa Catarina, goleando por 4 a 0. Nas duas partidas de volta, contra os times bolivianos, realizadas no Morumbi, venceu o Bolívar por 2 a 0 e empatou com o San José em 1 a 1, classificando-se em segundo lugar no grupo para a segunda fase.

Fichas dos jogos da primeira fase


06/03/92 - Criciúma 3 x 0 São Paulo

Local: Estádio Heriberto Hulse - Criciúma - Santa Catarina (Brasil).

Árbitro: Renato Marsiglia (Brasil).

Criciúma: Alexandre; Sarandi, Vilmar, Wilson e Itá; Roberto Cavalo, Gelson, Grizzo e Vanderlei (Emerson); Zé Roberto (Adílson) e Jairo Lenzi.

São Paulo: Zetti; Gilmar, Antonio Carlos, Ronaldo e Ivan; Mona (Cafu), Pintado, Suélio e Eraldo (Raí); Catê e Palhinha.

Gols: Jairo Lenzi, Gélson, Adílson.


17/03/92 - San José 0 x 3 São Paulo

Local: Estádio Jesus Bermudez - Oruro (Bolívia)

Árbitro: Milton Villavicencio (Equador)

San José: Ruiz; Vargas, Quinteros, Oscar Flores e Troncoso; Mansilla (Villamil), Arias, Rioja e Valencia; Sanchez e Peña (Vacaflor).

São Paulo: Zetti; Gilmar (Macedo), Antonio Carlos, Ronaldo e Nelsinho; Pintado, Cafu, Suélio e Raí; Palhinha e Elivélton.

Gols: São Paulo - Palhinha (3).


20/03/1992 - Bolívar 1 x 1 São Paulo

Local: Estádio Hernando Silles - La Paz (Bolívia)

Árbitro: Jorge Orellana (Equador)

Bolívar: Trucco; Sandy, Jiguchi, Ferrufino e Rimba; Borja, Soria, Carlos Lopez e Uriti; F. Salinas (Hernandez) e Hirano.

São Paulo: Zetti; Adílson, Antonio Carlos, Ronaldo e Nelsinho; Pintado, Cafu, Suélio (Macedo) e Raí; Palhinha e Elivélton (Catê).
Gols: Hirano, Raí.


01/04/1992 - São Paulo 4 x 0 Criciúma

Local: Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi) - São Paulo (Brasil)

Árbitro: Cláudio Vinicius Cerdeira (Brasil)

São Paulo: Zetti; Cafu, Antonio Carlos, Ronaldo e Nelsinho; Adílson, Pintado, Raí e Palhinha; Müller e Elivélton.

Criciúma: Alexandre; Sarandí, Wilmar, Wilson e Itá; Roberto Cavelo, Gelson (Paulo da Pinta), Grizzo e Vanderlei; Zé Roberto e Jairo Lenzi.

Gols: Raí, Palhinha, Elivélton, Müller.


07/04/1992 - São Paulo 1 x 1 San José

Local: Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi) - São Paulo (Brasil)

Árbitro: Efigêneo Mateo Verdun (Paraguai)

São Paulo: Zetti; Cafu, Antonio Carlos, Ronaldo e Nelsinho; Adilson, Pintado, Raí e Palhinha; Macedo e Elivélton.

San José: Ludueña; Nuñez, Guitierrez, Quinteros e Troncoso; Arias, Mansilla (Antelo), Rioja e Valencia; Sanchez (Condarco) e Peña.

Gols: Palhinha e Condarco

14/07/1992 - São Paulo 2 x 0 Bolívar

Local: Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi) - São Paulo (Brasil)

Árbitro: Francisco Lamolina (Argentina)

São Paulo: Zetti; Cafu, Antonio Carlos (Sidnei), Ronaldo e Nelsinho; Adilson, Pintado, Raí e Palhinha; Macedo e Elivélton.

Bolíviar: Trucco; Montaño, Jiguchi, Olaechea e Rimba; Ferrufino, Borja, Carlos Lopez e Urruti; Sabino (Perazzo) e Hirano.

Gols: Antonio Carlos, Macedo.


O adversário na segunda fase foi o Nacional, do Uruguai. Na primeira partida, no Estádio Centenário, em Montevidéu, o São Paulo venceu por 1 a 0, em partida tumultuada - o goleiro Zetti foi expulso, juntamente com o uruguaio Nuñez.

Com este resultado, o São Paulo entrou com a vantagem do empate no segundo jogo, no Morumbi, mas derrotou novamente o time uruguaio, dessa vez por 2 a 0.


Ficha dos jogos da segunda fase

28/04/1992 - Nacional 0 x 1 São Paulo

Local: Estádio Centenário - Montevidéu (Uruguai)

Árbitro: Enrique Marín (Chile)

Nacional: Seré; Gomez, Canals, Silva e Socca; Saralegui (Wanchope), Lemos, Borges e O'Neill (Nunez); Dely Valdez e Garcia.

São Paulo: Zetti; Cafu, Antonio Carlos, Ronaldo e Ivan; Adílson, Pintado, Raí e Palhinha; Macedo (Alexandre) e Elivélton.

Gol: Elivélton.


06/05/1992 - São Paulo 2 x 0 Nacional

Local: Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi) - São Paulo (Brasil)

Árbitro: Juan F. Escobar (Paraguai)

São Paulo: Alexandre; Cafu, Antonio Carlos, Ronaldo (Ronaldo Luiz) e Ivan; Adilson (Suélio), Pintado, Raí e Palhinha; Müller e Elivélton.

Nacional: Seré; Pinto Saldaña, Moncecchi, Ruben Silva e Soca; Mendez, Saralegui, Gutierrez e Lemos (Borges); Dely Valdez e Garcia (Gonzales).

Gols: Ronaldo, Antonio Carlos.


Classificado para a terceira fase, o São Paulo teve novamente o Criciúma como adversário. Em dois jogos muito bem disputados, o São Paulo ficou com a vaga para as semifinais. No primeiro jogo, no Morumbi, o São Paulo venceu por 1 a 0. Em Criciúma, houve empate em 1 a 1.


Ficha dos jogos da terceira fase

13/05/1992 - São Paulo 1 x 0 Criciúma

Local: Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi) - São Paulo (Brasil)

Árbitro: Renato Marsiglia (Brasil)

São Paulo: Alexandre; Cafú, Antonio Carlos, Ronaldo e Ivan; Adílson, Pintado, Raí e Palhinha; Müller e Rinaldo (Macedo).

Criciúma: Alexandre; Sarandí, Wilmar, Wilson e Itá; Roberto Cavelo, Gelson, Paulo da Pinta e Vanderlei (Adílson); Everaldo e Jairo Lenzi.

Gol: Macedo.


20/05/1992 - Criciúma 1 x 1 São Paulo

Local: Estádio Heriberto Hulse - Criciúma - Santa Catarina (Brasil)

Árbitro: Cláudio Vinicius Cerdeira (Brasil)

Criciúma: Alexandre; Sarandi, Vilmar, Wilson e Jairo Santos; Roberto Cavalo, Gelson, Grizzo (Everaldo) e Vanderlei (Adilson); Soares e Jairo Lenzi.

São Paulo: Zetti; Cafu, Antonio Carlos, Ronaldo e Ivan; Adílson, Pintado, Raí e Palhinha; Müller e Rinaldo (Ronaldo Luiz).

Gols: Soares, Palhinha.


Nas semifinais, o São Paulo enfrentou o Barcelona do Equador. No primeiro jogo, vitória categórica do tricolor paulista por 3 a 0, o que lhe dava o direito de perder até por dois gols de diferença em Guaiaquil, o que acabou acontecendo. O Barcelona venceu por 2 a 0, mas a vaga na final ficou com o São Paulo.




27/05/1992 - São Paulo 3 x 0 Barcelona

Local: Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi) - São Paulo (Brasil)

Árbitro: Francisco Lamolina (Argentina)

São Paulo: Zetti; Cafu, Antonio Carlos, Ronaldo e Ivan; Adílson (Suélio), Pintado, Müller e Palhinha (Sidnei); Macedo e Rinaldo.

Barcelona: Cevallos; Bravo, Monzon, Montanero e Alvicivar; Bernucio, Rosero, Ínsua e Muñoz; Tenório (Gavica) e Gilson.

Gols: Müller, Palhinha, Rinaldo.


03/06/1992 - Barcelona 2 x 0 São Paulo

Local: Estádio Isidro Romero - Guaiaquil (Equador)

Árbitro: Ernesto Filippi (Uruguai)

Barcelona: Cevallos; Freddy Bravo, Montanero, Monzon e Alcivar (Benitez); Rossero (David Bravo), Bernuncio, Ínsua e Gavica; Muñoz e Gilson.

São Paulo: Zetti; Cafu, Antonio Carlos, Adílson e Ronaldo; Suélio, Pintado, Raí (Macedo) e Palhinha; Müller e Rinaldo (Sidnei).

Gols: Gavica, Gílson.


A decisão da Taça Libertadores da América seria marcada outra vez por confronto entre brasileiros e argentinos - São Paulo x Newell's Old Boys. No primeiro jogo, em Rosário, na Argentina, o Newell's Old Boys venceu por 1 a 0.

Na segunda e decisiva partida, no Morumbi, o time argentino jogou recuado para garantir o empate que lhe daria o título - vitória do São Paulo por diferença de um gol levaria a decisão para a cobrança de pênaltis. O São Paulo passou o jogo todo atacando, na tentativa de superar a retranca do adversário, mas só conseguiu seu gol a sete minutos do fim, em pênalti convertido por Raí.

A decisão foi mesmo para os pênaltis - e o São Paulo levou a melhor. Na primeira cobrança, Berizzo bateu e perdeu. Na seqüência, marcaram Raí, Zamora, Iván e Llop, até que Ronaldão bateu e Scoponi defendeu. Nas cobranças seguintes, porém, Mendoza chutou para fora e Cafu converteu. Depois, foi a vez de Zetti brilhar denfendendo a cobrança de Gamboa. O São Paulo era o campeão da Libertadores da América - no final do ano, seria também campeão mundial interclubes superando o Barcelona.

Fichas dos jogos da decisão

10/06/1992 - Newell's Old Boys 1 x 0 São Paulo

Local: Estádio Gigante de Arroyto Cardiviola - Rosário (Argentina)

Árbitro: Hernan Silva (Chile)

Newell's Old Boys: Scoponi; Raggio, Gamboa, Pochettino e Saldaña; Berti, Berizzo, Martino (Garfagnoli) e Zamora; Mendoza (Domizi) e Lunari.

São Paulo: Zetti; Cafu, Antonio Carlos, Ronaldo e Ivan; Adílson, Pintado, Raí e Palhinha (Macedo); Müller e Elivélton.

Gol: Berizzo.


17/06/1992 - São Paulo 1 x 0 Newell's Old Boys

Local: Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi) - São Paulo (Brasil)

Árbitro: José J. Torres (Colômbia)

São Paulo: Zetti; Cafu, Antonio Carlos, Ronaldo e Ivan; Adílson, Pintado, Raí e Palhinha; Müller (Macedo) e Elivélton.

Newell's Old Boys: Scoponi; Llop, Gamboa, Pochettino e Saldaña; Berti, Berizzo, Martino (Domizi) e Zamora; Mendoza e Lunari.

Gol: Raí.

Disputa por pênaltis:

São Paulo: convertidos: Raí, Ivan e Cafu; desperdiçou: Ronaldo.

Newell's Old Boys: convertidos: Zamora e Llop; desperdiçaram: Berizzo, Mendoza e Gamboa.


Em 1993, a conquista do bicampeonato


Campeão em 1992, o São Paulo estava automaticamente classificado para entrar na segunda fase em 1993. Os outros representantes do Brasil foram o Flamengo, campeão brasileiro, e o Internacional, campeão da Copa do Brasil.

O adversário que coube ao São Paulo na segunda fase foi exatamente o Newell's Old Boys, a quem derrotara na decisão de 1992. No primeiro jogo, em Rosário, vitória dos argentinos por 2 a 0. No Morumbi, o São Paulo goleou por 4 a 0 e se classificou para a terceira fase, em que o adversário seria o Flamengo.



07/04/1993 - Newell's Old Boys 2 x 0 São Paulo

Local: Estádio Independência - Rosário (Argentina)

Árbitro: Juan Escobar (Paraguai)

Newell's Old Boys: Scoponi; Saldaña, Llop, Pochetinho e Berizzo; Martino, Berti, Castagno e Mendoza (Odriozola); Zamora e Cozonni (Navarro).

São Paulo: Zetti; Vítor, Válber, Ronaldo e André Luiz; Adílson, Dinho, Pintado e Cafu; Müller e Palhinha.

Gols: Cozzoni, Mendoza.


14/04/1993 - São Paulo 4 x 0 Newell's Old Boys

Local: Estádio Municipal Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi)

Árbitro: Ernesto Fillipi (Uruguai)

São Paulo: Zetti; Vítor, Ronaldo (Válber), Lula (André Luiz) e Ronaldo Luiz; Dinho, Pintado, Raí e Cafu; Müller e Palhinha.

Newell's Old Boys: Scoponi; Saldaña, Llop, Pochetinho e Berizzo; Martino, Berti (Garfangnoli), Castagno e Mendoza; Zamora e Cozonni (Odriozola).

Gols: Raí (2), Dinho, Cafu.


O Flamengo havia sido campeão do seu grupo na primeira fase e superado o Minerven, da Venezuela, na segunda fase. O confronto então entre São Paulo e o rubro-negro carioca valeria uma vaga nas semifinais, que foi conseguida depois de dois grandes jogos.

No Maracanã, em partida igual, houve empate em 1 a 1, gols de Palhinha e Nélio. Mas, no Morumbi, o São Paulo fez prevalecer a sua superioridade e venceu por 2 a 0, com gols de Muller e Cafu, classificando-se assim para as semifinais contra o Cerro Porteño, do Paraguai.



21/04/1993 - Flamengo 1 x 1 São Paulo

Local: Estádio Mário Filho (Maracanã) - Rio de Janeiro (Brasil)

Árbitro: Manuel Serapião Filho (Brasil)

Flamengo: Gilmar; Charles Guerreiro (Fabinho), Wilson Gottardo, Rogério e Josicler; Uidemar, Marquinhos, Jünior e Nélio; Paulo Nunes e Gaúcho (Nílson).

São Paulo: Zetti; Vítor, Gilmar, Válber e Ronaldo Luiz; Dinho, Pintado, Raí e Cafu; Müller e Palhinha (Catê).

Gols: Nélio, Palhinha.


28/04/1993 - São Paulo 2 x 0 Flamengo

Local: Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi) - São Paulo (Brasil)

Árbitro: Renato Marsiglia (Brasil)

São Paulo: Zetti; Vítor, Gilmar, Váber e Ronaldo Luiz; Dinho, Pintado, Raí e Cafu; Müller e Palhinha.

Flamengo: Gilmar; Fabinho, Wilson Gottardo, Júnior Baiano e Rogério; Uidemar, Marquinhos, Júnior e Nélio; Marcelinho Carioca (Paulo Nunes) e Gaúcho (Djalminha).

Gols: Müller, Cafu.


O São Paulo se classificou para a final vencendo o Cerro Porteño por 1 a 0 no Morumbi e garantindo a vaga com um empate em 0 a 0 em Assunção. Pela segunda vez, o time paulista iria decidir o título da Libertadores.


Ficha dos jogos das semifinais

05/05/1993 - São Paulo 1 x 0 Cerro Porteño

Local: Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbí) - São Paulo (Brasil)

Árbitro: Jorge Nieves (Uruguai)

São Paulo: Zetti; Vítor, Gilmar, Válber e Ronaldo Luiz; Dinho, Pintado,
Raí e Cafu; Müller e Palhinha.

Cerro Porteño: Mondragón; Capurro, Gamarra, Cristaldo e Dida; Alcaraz (André Duarte), Struway, Sotelo e Arce; Chavez e Villagra (Riveros).

Gol: Raí.


12/05/1993 - Cerro Porteño 0 x 0 São Paulo

Local: Estádio Defensores Del Chaco - Assunção (Paraguai)

Árbitro: Alberto Tejada (Peru)

Cerro Porteño: Mondragón; Capurro, Gamarra, Cristaldo e Dida; Struway, Sotelo (Balú), Villagra (Chavez) e Arce; Rossi e Ferreira.

São Paulo: Zetti; Vítor, Gilmar, Válber e Ronaldo Luiz; Dinho, Pintado, Raí e Cafu; Müller e Palhinha.


Na final, o São Paulo teve como adversário o Universidade Católica do Chile, que havia eliminado o América de Cali nas semifinais. A primeira partida aconteceu no Morumbí. O Universidade Católica entrou em campo com um esquema de jogo altamente defensivo montado pelo treinador Ignacio Prieto, com o objetivo de conseguir o empate, o que acabou se revelando inútil. O São Paulo goleou por 5 a 1 e levou para o segundo jogo, em Santiago, uma grande vantagem - só não ficaria com o título, se perdesse por cinco gols de diferença.

O que acabou, previsivelmente, não acontecendo. O time do Universidade Católica venceu, mas por 2 a 0, e o São Paulo conquistou o bicampeonato da Taça Libertadores da América. Depois, em Tóquio, ficaria também com o bicampeonato do mundo, superando o Milan.

Fichas dos jogos da decisão

19/05/1993 - São Paulo 5 x 1 Universidade Católica

Local: Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi) - São Paulo (Brasil)

Árbitro: José Torres (Colômbia)

São Paulo: Zetti; Vítor (Catê), Gilmar, Válber e Ronaldo Luiz (André Luiz); Dinho, Pintado, Raí e Cafu; Müller e Palhinha.

Universidade Católica: Wirth; Romero, Váquez, Lopez (Barrera) e Contreras; Lunari, Lepe, Parraguez e Tupper; Perez (Reinoso) e Almada.

Gols: Vítor, Gilmar, Raí, Müller, Lopez (c), Almada.


26/05/1993 - Universidade Católica 2 x 0 São Paulo

Local: Estádio Nacional - Santiago (Chile)

Árbitro: Juan Escobar (Paraguai)

Universidade Católica: Wirth; Romero, Váquez, Contreras (Cardozo) e Parraguez; Lunari, Lepe, Barrera e Tupper (Reinoso); Perez e Almada.

São Paulo: Zetti; Vítor (Toninho Cerezzo), Gilmar, Válber e Marcos Adriano; Dinho, Pintado, Raí e Cafu; Müller e Palhinha.

Gols: Lunari, Almada

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)