Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

30/06/2005 17:04

É possível prevenir mal de Alzheimer, afirma pesquisador

Agência Notisa

Fazer trinta minutos de exercícios físicos, três vezes por semana, pode diminuir em até 50% a probabilidade de desenvolver a doença



O mal de Alzheimer atinge aproximadamente 16 milhões de pessoas no mundo. Normalmente, os primeiros sintomas visíveis surgem a partir dos 75 anos, mas existem relatos de pacientes que apresentam a doença aos 35 anos. Pesquisas que têm como objetivo a produção de uma vacina, — além de fármacos que possam retardar a progressão da enfermidade — estão entre as escolhas cinetíficas. De acordo com o neurologista e psiquiatra Jefrrey Cummings, professor da Universidade da Califórnia, o assunto tornou-se público. “Ainda existem poucos tratamentos disponíveis. Entretanto, descobertas relativas a esta doença, na área da prevenção, cura, ou mesmo, testes bem sucedidos em laboratório já são, hoje, tema para capas de revista ou várias páginas de jornal”.

Os primeiros sintomas da doença se caracterizam pela perda gradativa da memória, além da chamada síndrome da deficiência cognitiva, que engloba a redução das funções cognitivas, do raciocínio lógico e da coordenação motora. Isto ocorre devido à produção e ao acúmulo da proteína beta- amielóide. Com o avanço dos sintomas, o paciente passa a apresentar dificuldade para realizar tarefas diárias. O diagnóstico é complexo, já que nem todas as pessoas que apresentam os primeiros sintomas da síndrome da deficiência cognitiva vão desenvolver o mal de Alzheimer. “Pessoas com mais de 75 anos que não apresentam nenhum sintoma primário têm uma probabilidade de 1 a 2% de desenvolver a doença. Já aqueles pacientes que expressam um leve comprometimento cognitivo têm uma chance de até 15% de manifestar o mal”, afirmou o cientista.

Prevenção
Segundo Cummings, os fatores de risco associados ao mal de Alzheimer são: idade, sexo feminino, presença do gen ApoE4, colesterol alto, hiperhomocisteína, diabete, lesões na cabeça, estresse psicológico, hipertensão e tabagismo. “As três primeiras características são inevitáveis, mas todas as outras tem solução. Estudos mostram que mulheres com mais de 75 anos apresentam um risco até 1.2% maior de desenvolver a doença. O sexo gera uma predisposição natural, mas se uma mulher, nesta faixa etária, é fumante, hipertensa e diabética, suas chances aumentam em até 30%”, disse.

Para prevenir a doença é preciso, de acordo com o médico, primeiramente, analisar e tratar os possíveis agentes relacionados aos fatores de risco, como o controle do colesterol. Também é preciso manter o cérebro ativo em atividades como leitura e trabalhos que exijam atenção e concentração, realizar atividades físicas e de lazer e manter uma dieta com alta concentração de antioxidantes, entre eles o ômega3 e vitaminas C, E, B6 e B12. De acordo com o professor, “pesquisas apontam que pessoas que fazem trinta minutos de exercícios físicos, três vezes por semana, podem diminuir em até 50% a sua probabilidade de desenvolver o mal de Alzheimer”.



Vacina
A criação de uma vacina para o Alzheimer é uma das metas atuais dos pesquisadores. Em ratos de laboratório, as primeiras pesquisas foram bem sucedidas. Ratos transgênicos com os sintomas da doença não apresentaram acúmulo da proteína beta amielóide quando vacinados. No entanto, em humanos, foi diagnosticada encefalite alérgica em alguns pacientes. Segundo Cummings, a pesquisa é promissora, mas serão necessários mais estudos para viabilizar o uso de uma vacina como terapia clínica.

Os fármacos existentes no mercado para o tratamento do mal de Alzheimer, entre eles donepezil, rivastigmina e galantamina, não curam , mas são capazes de agir na inibição da degradação da acetilcolina – neurotransmissor relacionado com ao mecanismo de memória –, tornando mais lenta a progressão da doença. Em compensação, estudam apontam que os sintomas neuropsicológicos como irritabilidade, depressão e apatia não apresentam melhora com o uso de antipsicóticos, anticonvulsionantes ou antidepressivos. Os inibidores de colinesterase e a memantina mostraram-se mais eficazes nestes casos. “O diagnóstico precoce é a principal arma contra o mal de Alzheimer, já que nenhum medicamento faz efeito a partir de um determinado estágio da doença. Para evitar a progressão dos sintomas, é preciso detectá-los no início”, afirmou o pesquisador.


Agência Notisa (jornalismo científico - science journalism)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)