Cassilândia, Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017

Últimas Notícias

15/02/2016 11:00

Dor de crescimento existe e pode ser atenuada

Portal Educação Física

A dor de crescimento é caracterizada por dores nas pernas, sem localização precisa e sem qualquer outro sintoma associado, que recebeu esse nome por se manifestar especialmente entre os 3 e 12 anos de idade. De acordo com o médico pediatra, cooperado da Unimed Cuiabá, Claudio Poletto Casarotto, a dor acomete cerca de 25% das crianças e quase sempre está relacionada a um aumento da prática de atividade física como fazer natação, andar de bicicleta e jogar futebol. “Talvez estas queixas sejam similares as que nós, adultos, tenhamos após exagerarmos em alguma atividade física”, explica.

Claudio Casarotto esclarece que durante o dia a criança brinca normalmente, corre, joga bola e durante a noite aparece uma dor inexplicável e repetitiva, que a criança não consegue nem mesmo atribuir localização exata e, no outro dia acorda sem dor. São essas características chamadas de dor do crescimento. Segundo a Sociedade Brasileira de Ortopedia Pediátrica (Sbop), as causas do problema não são totalmente conhecidas e a atividade mais intensa pode relaciona-se com a dor.

“Há relatos de que a criança vai dormir bem e acorda chorando com dor, solicitando a presença dos pais que usam analgésicos ou massagens, o que acaba por aliviar a dor. A criança volta a dormir e acorda bem no dia seguinte, retomando suas atividades normais”, afirma Casarotto.

O médico pediatra explica que a dor pode ser provocada ao final do dia, depois de a criança ter corrido, pulado e praticado esportes. “Nesses casos, recomenda-se diminuição das atividades esportivas para diminuir a incidência de queixas”, informa.

Diagnóstico

Este é um diagnóstico iminentemente clínico. Casarotto explica que ouvir as queixas e examinar adequadamente a criança, excluindo a existência de outros agravos é o suficiente. “A realização de exames pode confundir mais do que ajudar, inclusive induzindo a diagnósticos errôneos como por exemplo, febre reumática. Portanto, uma anamnese bem conduzida e um exame físico correto são suficientes”, salienta.

Como aliviar os sintomas?

Durante as crises, deve-se basicamente, utilizar algum analgésico se a queixa é intensa, fazer compressas ou massagens suaves. Essas medidas aliviam as dores. Vale lembrar que a dor de crescimento não é uma doença, e sim uma condição que acomete as crianças e não traz qualquer consequência ou impacto para o crescimento da criança e não há um tratamento específico. “Estas queixas podem permanecer por um certo tempo e desaparecer espontaneamente sem sequelas e limitações”, frisa o médico pediatra.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 22 de Setembro de 2017
Quinta, 21 de Setembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)