Cassilândia, Sábado, 15 de Agosto de 2020

Últimas Notícias

10/06/2020 11:00

Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE)

Fonte: Sociedade Brasileira de Motilidade Digestiva e Neurogastroenterologia

Redação
Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE)

A doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) é a condição que se desenvolve quando o conteúdo do estômago retorna ao esôfago e provoca sintomas desagradáveis e/ou complicações. É um dos diagnósticos mais comuns na gastroenterologia, pois se trata de uma afecção que afeta cerca de 12% a 20% da população brasileira.

Causas

Numerosos fatores podem contribuir para o refluxo se tornar patológico, merecendo destaque as aberturas ou relaxamentos transitórios do esfíncter inferior do esôfago. Esses relaxamentos ocorrem independentemente da deglutição e podem estar relacionados com hipotensão do esfíncter. Outra causa facilitadora da DRGE é a presença de hérnia de hiato, principalmente de grande tamanho.

Sintomas

Os sintomas da DRGE são divididos em dois tipos: típicos e atípicos.

São considerados sintomas típicos:

Pirose: também chamada de azia, é a sensação de queimação na região central do peito, que pode irradiar da parte superior do estômago até o pescoço.
Regurgitação: definida como a percepção do fluxo do conteúdo gástrico refluído para boca.
As manifestações atípicas da DRGE são:

Dor torácica não cardíaca (DTNC)

Globus faringeus Asma

Tosse crônica Fibrose pulmonar idiopátíca Apneia do sono

Diagnóstico

O diagnóstico da DRGE se inicia com uma anamnese cuidadosa, capaz de identificar os sintomas característicos, bem como definir sua intensidade, duração e frequência. Devem ser observados fatores desencadeantes e de alívio, além de ser determinado o padrão de evolução da doença, assim como o impacto na qualidade de vida dos pacientes.

Com relação aos exames, a endoscopia digestiva alta (EDA) é o método de escolha para avaliar se há lesões causadas pelo refluxo.

A pHmetria e a impedanciopHmetria esofágica são consideradas métodos diagnósticos específicos e sensíveis para diagnóstico do refluxo e sua correlação com os sintomas referidos pelos pacientes. São indicados para documentar a exposição ácida no esôfago.

Tratamento

O tratamento da DRGE objetiva controlar os sintomas, cicatrizar as lesões e prevenir complicações, podendo ser fundamentalmente clínico ou cirúrgico.

A grande maioria dos pacientes se beneficia com tratamento clínico, que deve abranger medidas

comportamentais e farmacológicas, as quais devem ser implementadas simultaneamente.

As modificações comportamentais no tratamento da DRGE são:

Perder peso ou impedir ganho adicional;

Moderação na ingestão dos seguintes alimentos: ricos em gorduras, condimentados , cítricos, café, chá, chocolate, bebidas alcoólicas e que possuem gás;

Evitar refeições volumosas;

Evitar deitar por duas horas após as refeições; Cessação do tabagismo;

Evitar roupas apertadas;

Evitar medicamentos que causam boca seca;

Não comer antes das atividades físicas (alimentar hora antes de se exercitar);

Elevação da cabeceira da cama (15cm).

Os medicamentos que são indicados no tratamento da DRGE favorecem a inibição da secreção gástrica, haja visto que atuam melhorando os sintomas e cicatrizando a esofagite. Os fármacos disponíveis são:

Inibidores da bomba de prótons (omeprazol, esomeprazol);
Antiácidos e sucralfato;
Alginato;
Bloqueadores dos receptores H2 da histamina (cimetidina, ranitidina);
Procinéticos (metoclopramida, domepridona). Somente o médico é capaz de prescrever qual melhor medicamento, baseado na apresentação clínica e na gravidade dos sintomas dos pacientes. Não use medicação sem receita médica, eles possuem efeitos colaterais e podem ser prejudiciais à saúde.
Com relação a cirurgia, pacientes jovens, não obesos, muito sintomáticos, que respondem bem ao uso de medicação e que apresentam exames alterados (EDA, pHmetria ou impedânciopHmetria esofágica) poderão se candidatar à cirurgia antirrefluxo, conhecida como fundoplicatura. A cirurgia consiste em envolver a parte superior do estômago em volta do esfíncter esofágico inferior para criar uma barreira que impeça o refluxo.

Referencia

MORAES FILHO, Joaquim Prado P.; DOMINGUES, Gerson. Doença do Refluxo Gastroesofágico. In: ZARTEKA, Schlioma; EISIG, Jaime Natan. Tratado de Gastroenterologia: Da Graduação à Pós-Graduação. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2016. Cap. 39. p. 445-457

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 14 de Agosto de 2020
08:16
Geral
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)