Cassilândia, Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2018

Últimas Notícias

04/02/2018 16:00

Doença ameaça dizimar bananas pelo mundo

BBC News
Dois terços dos funcionários da fazenda Matanuska foram demitidos por causa do avanço da doençaDois terços dos funcionários da fazenda Matanuska foram demitidos por causa do avanço da doença

Não é muito fácil visitar a plantação de banana da fazenda Matanuska, em Moçambique. Depois de uma viagem de duas horas a partir da cidade mais próxima, visitantes são parados na entrada da fazenda e precisam mergulhar os pés em uma piscina de desinfetante. Até os carros precisam limpar as rodas.

A gigante plantação de banana no meio de uma planície seca já foi considerada um milagre. Hoje está devastada por uma doença chamada Mal do Panamá, causada por um fungo mortal, o TR4.

Ele foi detectado na África pela primeira vez há cinco anos, depois de dizimar milhões de hectares de plantações de banana na Ásia a partir de 1980.

O fracasso nas tentativas de conter a doença – que é resistente a fungicidas e não pode ser controlada quimicamente – gera preocupações ao redor do mundo. Poderia a fruta mais exportada do mundo, fonte de nutrientes para milhões de pessoas, estar sob o risco de extinção?

A BBC foi o primeiro veículo de imprensa a ter acesso à fazenda desde que ela foi atingida pela doença. E descobriu que, mais além da devastação, a plantação é um caso emblemático sobre as consequências inesperadas e indesejadas da globalização – e sobre a forma como a solução para esses problemas pode vir de lugares improvavéis.Feita a higienização ao entrar na fazenda, visitantes avistam cachos e cachos de banana presos a armações de metal.

De lá, centenas de bananas são carregadas para uma área de tratamento antes de serem enviadas para o Oriente Médio em containeres.

Supervisor desse processo, o chefe técnico da fazenda, Elie Matabuana, passa todo o tempo olhando cacho por cacho para checar se eles têm as folhas amareladas e o cheio podre característico das plantas contaminadas.

"Quando acordo de manhã, a primeira coisa que penso é: o que posso fazer para acabar com essa doença?", diz ele."É uma luta enorme, mas estamos vencendo", agrega, antes de se corrigir. "Nós vamos vencer."

Contenção
Matabuana e sua equipe na fazenda Matanuska lutam uma batalha extremamente difícil. A doença se espalhou rapidamente nos últimos cinco anos."Vim para Matanuska pela primeira vez logo após identificarmos o patógeno. Nesse estágio a fazenda ainda era maravilhosa", diz Altus Viljoen, professor da Universidade de Stellenbosch, na África do Sul. Ele foi o primeiro cientista a confirmar que a doença havia de fato se espalhado para além da Ásia.

"Eu sabia que a paisagem (das plantações) iria mudar, mas não tinha ideia do tamanho do golpe, de quão severo ele seria."

Hoje, restam apenas 100 hectares das plantações de Matanuska. Cerca de dois terços dos 2,7 mil trabalhadores da fazenda foram demitidos, arruinando a economia local.

Conter a doença e encontrar uma variedade resistente se tornaram prioridades urgentes.

Cerca de 500 mil pessoas trabalham na indústria bananeira em Moçambique.

'Má sorte'
Países vizinhos como a Tanzânia, a 600 km de Matanuska, também têm a economia extremamente dependente do cultivo de banana. Na Uganda e no Congo, as bananas representam 35% da ingestão de nutrientes de boa parte da população.

E, embora acredite-se que o tipo da fruta cultivado nesses países seja resistente ao fungo, ninguém sabe com certeza.

No Brasil, onde a banana é a fruta mais consumida, a produção chega a 7 milhões de toneladas anuais, segundo medições oficiais, com papel importante no mercado exportador. E a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) diz, em boletim online, que diversas variedades da fruta são suscetíveis ao Mal do Panamá. A recomendação principal, segundo o órgão, é investir em variedades resistentes ao fungo.De volta a Moçambique, a chefe da área de doenças botânicas do Ministério da Agricultura local, Antonia Vaz, afirma que "todos os países africanos estão preocupados com o que está acontecendo aqui".

Ela diz que o governo moçambicano implementou medidas para controlar a doença e garantir que ela não se espalhe para o norte. Ela também faz questão de dizer que a doença não é endêmica no país. O governo acredita que ela tenha vindo das botas de trabalhadores rurais das Filipinas.

"Foi um grande azar", diz ela.

O comércio de banana no mundo movimenta mais de U$ 12 bilhões todos os anos - o que torna a fruta a número um em valor e volume.

Não há cura
Em geral, quando quantias bilionárias estão em risco, soluções não são muito difíceis de serem encontradas.

Mas o problema na luta contra o Mal do Panamá é a maneira como as bananas são cultivadas hoje em dia.

Embora existam milhares de tipos de banana no mundo, a maior parte da produção mundial hoje é de banana cavendish. No Brasil, a come-se o subtipo dawrf cavendish, conhecido por aqui como banana nanica.

Cultivar apenas uma variedade de uma planta em grandes monoculturas é uma prática que se tornou cada vez mais comum no mundo em todas as variedades de produtos – de árvores madeireiras a frutas.

O problema é que monoculturas são altamente suscetíveis à doenças. O que torna o caso das bananas ainda pior é que as cavendish são estéreis. Novas plantas são produzidas assexuadamente, o que significa que são idênticas à geração mais antiga.

Como elas não são reproduzidas naturalmente, não há seleção natural – o que poderia ajudar no surgimento de espécimes de banana resistentes à doença.

A cavendish se tornou a banana mais popular depois que a primeira variedade do fungo do Mal do Panamá dizimou a banana Gros Michel, que até os anos 1950 era a variedade mais comum. Como a cavendish era imune ao fungo, ela passou a ser a mais cultivada.

O problema é que a quarta "geração" do fungo, a TR4, agora ataca a cavendish e outras variedades.

O Fusarium Fungus vive no solo e ataca as raízes antes de se espalhar pelo resto da planta. Ele também produz esporos que sobrevivem no solo por décadas, tornando a terra inútil para colheitas não resistentes.

Nova esperança
Diantede um cenário tão lúgebre, por que continuar a plantar bananas em Matanuska?

Há dois motivos principais.

Um dele tem a ver com o controle da área. "Se a terra foi simplesmente abandonada e as pessoas se movimentarem por ali, ninguém sabe quem vai carregar a doença e para onde", diz o professor Viljoen.

O outro motivo é a esperança de encontrar uma solução.

A americana Tricia Wallace é uma ex-investidora do mercado financeiro que ajudou a conseguir financiamento para a fazenda anos atrás, quando a ideia de ter uma plantação de banana nessa parte do mundo parecia uma loucura, uma miragem no deserto.

Ela diz que nos primeiros anos de funcionamento da fazenda, "pessoas vinham de outras partes de Moçambique e não conseguiam acreditar (no sucesso)".

Ante a devastação causada pelo fungo, Wallace diz que sentiu-se na obrigação de garantir que as pessoas não desistissem do projeto e acabou deixando seu trabalho no mercado financeiro para tocar a fazenda.

Agora, ela está investindo pesado em um tipo de banana cavendish de Taiwan, conhecido como banana formosana.

Essa variedade pode ter a resposta para os problemas, e é o que Matanuska precisa para sobreviver.

Até agora os resultados são promissores: 200 hectares da banana formosana estão crescendo na fazenda. E embora algumas das plantas estejam com a doença, elas parecem mais fortes e mais capazes de lutar contra ela.

"Se isso der certo, é um grande benefício não só para a indústria bananeira de Moçambique, mas para a região como um todo."

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 22 de Fevereiro de 2018
10:00
Receita do dia
Quarta, 21 de Fevereiro de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)