Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

22/09/2006 13:57

Dívida rural "bloqueia” dinheiro do plantio

Fernanda Mathias / Campo Grande News

O Banco do Brasil só liberou, até agora, 16% dos R$ 600 milhões reservados para custeio da safra agrícola 2006/06 em Mato Grosso do Sul. O plantio começa no próximo mês. O alto nível de endividamento dos produtores rurais é apontado como o principal responsável pelo baixo volume emprestado.

A obrigatoriedade de contratação de seguro agrícola para liberação do custeio em 28 municípios do Estado, com taxas que vão de 1,5% a 4%, é outro fator que estancou nos últimos dias a procura pelo crédito. Até o momento deram entrada no Banco do Brasil 15 mil pedidos de renegociação das dívidas, o que significa 80% dos 18 mil contratos entre custeio e investimentos, firmados para a safra passada. Desses, 2,8 mil ainda não foram processados e hoje é o prazo final para produtores apresentarem documentações pendentes ao banco.

O gerente de Agronegócios do Banco do Brasil, Loureno Budke, afirma que as dificuldades no campo, que geraram uma série de protestos e medidas do governo federal refletiram no atraso do processamento de dados. Apesar de o pedido de renegociação reduzir os pontos do cliente na análise de risco, devido à conjuntura foi determinada manutenção dos limites em vigor na safra passada.

Ainda assim, o produtor que prorrogou dívida tem margem menor de recursos para tomar na proporção do que foi renegociado. Um produtor, por exemplo, que emprestou R$ 1 milhão na safra passada e renegociou R$ 700 mil só poderia, dentro desta lógica, emprestar R$ 300 mil desta vez.

Para fazer com que os negócios aconteçam o Banco do Brasil tem desenvolvido trabalhos in loco com os produtores, como em Caarapó, onde praticamente 100% do custeio já foram negociados, segundo Budke. Ele acredita que, se por um lado o endividamento é alto, de outro a estabilização do câmbio pode trazer segurança para o setor produtivo. “Já era esperado que o produtor, endividado e com dúvida em relação ao futuro, se retraísse”, diz o gerente.

O presidente do Sindicato Rural de Maracaju, Luís Alberto Moraes Novaes, foi um dos que pediram prorrogação do prazo para pagar sua dívida e espera análise do banco para saber quanto poderá financiar desta vez. Ele afirma que muitos produtores sequer terão margem para contratar o crédito e acabam recorrendo aos financiamentos junto de empresas de insumos, pagando juros bem mais caros, cerca de 20% ao ano, quando o FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste) tem taxa de 8,75%.

Eduardo Riedel, integrante da Comissão de Agricultura da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), acredita que a descapitalização do produtor reduza a área com soja em 5% a 10% na próxima safra, além de o nível de investimento em tecnologia que tende a cair mais uma vez.

Na safra passada, problemas de estiagem e preços fizeram com que os produtores investissem menos em defensivos agrícolas. Conforme dados da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a comercialização de agrotóxicos no primeiro semestre deste ano recuou em 34%.

Riedel alega que o nível apertado de renda do produtor acaba inviabilizando o pagamento da taxa do seguro rural e defende que a obrigatoriedade de contratação seja retirada pelo menos nos municípios onde o valor é maior (4%), como Rio Brilhante, Bonito e Itaquiraí. “Hoje a margem de lucro é muito estreita. O produtor tem custo de R$ 1 mil por hectare, que produz de R$ 40 a 50 sacas”, afirma. A cotação da saca de 60 quilos da soja está entre R$ 21,00 e R$ 22,00.

O produtor Juliano Shmaedcke reclama que nos moldes em que está o seguro agrícola somente beneficia a instituição financeira que o opera. Ele afirma que a cobertura em caso de frustração é muito baixa, de 34 sacos por hectare, quando a média de produtividade é de 40 a 50. Além disso, aponta, a proteção mais necessária está relacionada à variação do câmbio. Ele lamenta o acréscimo de mais 1,5% na conta do financiamento, “em um momento em que a margem de lucro é muito apertada”, alega.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)