Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

18/07/2008 16:38

Divergências marcam debate sobre diploma de Cuba

Agência Câmara

O seminário promovido nesta semana pelo Grupo Parlamentar Brasil-Cuba e pela Associação Brasileira de Médicos e Estudantes de Medicina em Cuba (Abmec) para discutir o reconhecimento de diplomas de Medicina expedidos naquele país mostrou a resistência das entidades médicas brasileiras. Durante dois dias, o seminário discutiu o Projeto de Decreto Legislativo 346/07, que cria regras para o reconhecimento de diplomas de médicos brasileiros formados em Cuba.

O texto abre espaço para que os diplomas de Medicina expedidos em Cuba possam ser revalidados sem a necessidade de exames, se houver compatibilidade entre as grades curriculares. O projeto, que apóia o ajuste complementar ao Acordo de Cooperação Cultural e Educacional entre Brasil e Cuba, tramita em regime de urgência e já foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Pelo ajuste, os diplomas poderão ser reconhecidos por universidades públicas brasileiras, que deverão firmar convênios com a Escola Latino-Americana de Ciências Médicas - que forma os médicos em Cuba. O texto determina a criação de uma comissão nacional, coordenada pelos ministérios da Educação e da Saúde, para fiscalizar os convênios. Também caberá a essa comissão elaborar um único exame nacional, teórico e prático, para reconhecimento dos títulos nos casos em que não houver compatibilidade curricular.

Atualmente todos os médicos formados em Cuba precisam passar por exames para exercerem a Medicina no Brasil.

Reprovações
Durante o seminário, o conselheiro do Conselho Federal de Medicina Genário Barbosa defendeu a continuidade do exame. "O grande problema é que eles não passam na prova. São reprovados. Isso significa que eles não estão aptos para exercer a Medicina no Brasil. Se o governo quer jogar médicos despreparados para atender a população, isso seria uma irresponsabilidade muito grande."

Genário Barbosa acredita, ainda, que aprovar o projeto implica discriminação, já que o texto trata apenas dos médicos formados em Cuba. Os profissionais formados em outros países ainda teriam de ser aprovados no exame para exercer a Medicina no Brasil.

Já Renato de Souza Lemos, integrante da Associação Brasileira de Médicos e Estudantes Formados em Cuba, também reclamou que o índice de reprovação das provas é muito alto, mas considera uma forma de reserva de mercado. "O índice de reprovação no teste ultrapassa 98%. Isto significa que 98% dos estudantes formados em Cuba não tem capacidade de serem médicos no Brasil, de atuar nas comunidades, na sociedade? A gente acha que essa prova, na verdade, é feita a nível de especialista, muito superior, para barrar. Porque o sistema de saúde brasileiro, aqui, é visto como um mercado de trabalho. E, como existe reserva de mercado, tem que existir menos profissionais na área para que o salário seja melhor."

Carência de médicos
O deputado Carlos Abicalil (PT-MT), que participou do seminário, defendeu a revalidação dos diplomas cubanos. Na avaliação do parlamentar, esses médicos poderão suprir a carência brasileira de profissionais. "Nós temos 20% dos municípios brasileiros com carência de profissionais médicos. E temos, por outro lado, uma restrição muito grande ao ingresso de jovens em cursos de Medicina no Brasil. Recusar a oferta cubana, a seriedade da formação dos médicos cubanos, reconhecidos no mundo inteiro, não tem justificação do ponto de vista institucional", concluiu.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)