Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

13/03/2008 16:36

Diretor da Aneel recebe avalanche de reclamações

Paulo Fernandes - Campo Grande News

Diretor da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), Romeu Rufino, talvez nunca tenha recebido tantas reclamações em uma audiência pública como a de hoje, na Unaes, em Campo Grande, durante a discussão da revisão tarifária da concessionária Enersul. Em 6 horas de audiência pública, Rufino recebeu críticas e sugestões de representantes de entidades de classe, parlamentares e de outros consumidores e mudou o tom de suas declarações, sem antecipar, no entanto, sua avaliação sobre as propostas.

“Tudo que foi colocado será analisado, inclusive a devolução do valor. No dia 7 vamos deliberar e divulgar o resultado”, afirmou o diretor da Aneel. “Eu não vou fazer juízo sobre as propostas”.

O índice inicial para redução, proposto pela agência reguladora é de 18,9%, mas os membros da CPI da Enersul querem um percentual de 22%, e a Associação Brasileira dos Grandes Consumidores de Energia defende 24,9.

A enxurrada de críticas à Enersul e, inclusive, à atuação da própria Aneel, provocou uma mudança facilmente perceptível nas declarações de Romeu Rufino. Ao chegar, ele tentava amenizar o problema da cobrança indevida na nanonta de energia elétrica, que ele tratou como “erro cirúrgico, identificado apenas por lupa”.

Seis horas depois, o discurso era outro. “O que eu quis dizer é que qualquer erro depois de explicitado fica muito visível”, afirmou. Segundo ele, o erro de avaliação foi feito por uma empresa credenciada pela Aneel e contratada pela concessionária. “A empresa foi descredenciada”, disse.

As críticas mais duras partiram do relator da CPI da Enersul na Assembléia Legislativa, Marquinhos Trad (PMDB), e do senador Delcídio do Amaral (PT), que é ligado ao setor energético e presidiu a Comissão de Marcos Regulatórios. “Foram 191 milhões em erros de informações”, afirmou o deputado. O número se refere ao montante, em reais, cobrado indevidamente pela empresa desde 2003. “È muito mais do que muita prefeitura arrecada em um ano”, acrescentou o presidente da CPI, deputado Paulo Corrêa (PR).

Paulo Corrêa defende que a Aneel devolva o valor referente a cobrança indevida à vista e em dinheiro. Ele também propôs a redução da cobrança em 22% e a mudança do ponto de medição da energia de Jupiá (SP) para Campo Grande o que reduziria o valor da conta em mais 10%, calculou. Romeu Rufino disse que foram feitos estudos sobre o impacto dessa mudança do local da medição, e admitiu que a alteração provocaria uma redução nas contas de luz, mas em percentual menor do que o declarado pelo presidente da CPI.

Já o senador Delcídio do Amaral afirmou que o erro nos cálculos da Enersul foram primários. Ele explicou que a base de cálculo das linhas de transmissão foi inflada. “Espero que tenha sido um equívoco, mas é um erro primário, rudimentar, e quem monitora não percebeu esse equívoco”, afirmou.

O presidente da Fiems, Sérgio Marcolino Longen, propõe que a devolução seja feita através de um certificado de crédito medido em kw/h. “Aí o crédito vai no nome de quem pagou a conta, independente de mudança de endereço”, disse.

Pela proposta, os créditos também poderiam ser vendidos numa espécie duma bolsa de valores. “Seria uma medida inédita, mas atenderia todos os setores”, afirmou .

Consumidores - O presidente do conselho de consumidores da Enersul e da Famasul (Federação da Agricultura e Pecurária), Ademar Silva Junior, disse que o maior erro foi da Aneel, por ser a agência que regula o setor.

O superintendente do Procon, Wiliam Souza Brito, garante ter percebido um acréscimo de reclamações com relação a Ernesul o que indica que falta qualidade à empresa e disse que os consumidores tem direito de receber o valor referente a cobrança indevida em dobro. “Está no Código de Defesa do Consumidor o direito de receber em dobro”, disse.

Outro lado – O presidente da Enersul, Sérgio Pires, afirmou que a empresa investiu R$ 1,2 bilhão no período de 1998 a 2008 em expansão e modernização da rede de transmissão de energia elétrica e que o investimento traz impacto na tarifa. Para ele, a tarifa é considerada alta porque faltam investimentos do Estado na rede energética.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)