Cassilândia, Quarta-feira, 26 de Abril de 2017

Últimas Notícias

16/07/2005 07:32

Direitos dos homossexuais mobilizam 4 mil pessoas

Campo Grande News/ Jacqueline Lopes e Marina Miranda
Homossexuais mobilizados: luta por direitos iguaisDavid MajellaHomossexuais mobilizados: luta por direitos iguaisDavid Majella

Direitos: nem mais, nem menos, apenas iguais”, a frase deu início a 4ª Parada da Diversidade, que reuniu pelo menos 4 mil pessoas nas principais ruas de Campo Grande. O encontro deixou a Capital com cara de carnaval ao ‘pintar’ as vias com as cores vermelho, laranja, amarelo, verde, azul e roxo, expostas em uma bandeira de dez metros que cobria parte do trio elétrico, onde a dançarina e cantora Rita Cadillac mostrou todo o seu rebolado.

A música e o movimento atraíram vários curiosos, entre eles, pais, idosos e avós com crianças, como a dona de casa Andi da Silva, 35 anos, acompanhada do neto, de dois anos. “Estou com o meu neto aqui porque quero que ele aprenda a tratar todas as pessoas com respeito”, ensina.

Já o barbeiro Teodoro Benites, 67 anos, tem uma posição mais comedida. “Cada um tem o direito de fazer o que quer, mas tem um ponto negativo, estimula as crianças”, acredita. “Esse tipo de coisa sempre existiu desde o tempo de Nero. Entretanto, tudo em excesso é prejudicial, que nem a droga”, complementa.

O travesti Eloisa, 39 anos, que participa do projeto Afrodite, desenvolvido pelo IBISS (Instituto Brasileiro de Inovações Pró-Sociedade Saudável) para as profissionais do sexo, acredita que as pessoas têm respeitado mais as opções do grupo, contudo, ressalta que a maior dificuldade é assumir a sexualidade. “Depois que assume, enfrentar o preconceito fica mais fácil. Tem que assumir, respeitar as pessoas, para poder cobrar respeito”.

O servidor público Kenedy Palácio, 22 anos, é da mesma opinião. Ele mora com Edson Sanches, 19 anos, há três meses. Segundo eles, as duas famílias sabem e aceitam a situação. “Não foi fácil, tudo teve de ser gradativo para conseguir o apoio da família”, revela Sanches, cujos parentes moram em Dourados, cidade a 221 quilômetros de Campo Grande. Ao avaliar os quatro anos de evento, os dois são unânimes em observar que o preconceito ainda é uma constante. “Melhorou bastante, mas 50% ainda olha para a gente e vira a cara”, ressalta Palácio.

Manifesto - Em meio aos hinos que viraram marca do público GLS (Gays Lésbicas e Simpatizantes), como "I Will Survive", o grupo aproveitou a parada para protestar contra a homofobia – violência cometida contra homossexuais e também para lembra o momento de crise que vive o País, se manifestando contrário ao Mensalão.

A cantora Rita Cadilac fechou o movimento com uma apresentação na praça Ary Coelho.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 25 de Abril de 2017
Segunda, 24 de Abril de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)