Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

16/07/2005 07:32

Direitos dos homossexuais mobilizam 4 mil pessoas

Campo Grande News/ Jacqueline Lopes e Marina Miranda
Homossexuais mobilizados: luta por direitos iguaisDavid MajellaHomossexuais mobilizados: luta por direitos iguaisDavid Majella

Direitos: nem mais, nem menos, apenas iguais”, a frase deu início a 4ª Parada da Diversidade, que reuniu pelo menos 4 mil pessoas nas principais ruas de Campo Grande. O encontro deixou a Capital com cara de carnaval ao ‘pintar’ as vias com as cores vermelho, laranja, amarelo, verde, azul e roxo, expostas em uma bandeira de dez metros que cobria parte do trio elétrico, onde a dançarina e cantora Rita Cadillac mostrou todo o seu rebolado.

A música e o movimento atraíram vários curiosos, entre eles, pais, idosos e avós com crianças, como a dona de casa Andi da Silva, 35 anos, acompanhada do neto, de dois anos. “Estou com o meu neto aqui porque quero que ele aprenda a tratar todas as pessoas com respeito”, ensina.

Já o barbeiro Teodoro Benites, 67 anos, tem uma posição mais comedida. “Cada um tem o direito de fazer o que quer, mas tem um ponto negativo, estimula as crianças”, acredita. “Esse tipo de coisa sempre existiu desde o tempo de Nero. Entretanto, tudo em excesso é prejudicial, que nem a droga”, complementa.

O travesti Eloisa, 39 anos, que participa do projeto Afrodite, desenvolvido pelo IBISS (Instituto Brasileiro de Inovações Pró-Sociedade Saudável) para as profissionais do sexo, acredita que as pessoas têm respeitado mais as opções do grupo, contudo, ressalta que a maior dificuldade é assumir a sexualidade. “Depois que assume, enfrentar o preconceito fica mais fácil. Tem que assumir, respeitar as pessoas, para poder cobrar respeito”.

O servidor público Kenedy Palácio, 22 anos, é da mesma opinião. Ele mora com Edson Sanches, 19 anos, há três meses. Segundo eles, as duas famílias sabem e aceitam a situação. “Não foi fácil, tudo teve de ser gradativo para conseguir o apoio da família”, revela Sanches, cujos parentes moram em Dourados, cidade a 221 quilômetros de Campo Grande. Ao avaliar os quatro anos de evento, os dois são unânimes em observar que o preconceito ainda é uma constante. “Melhorou bastante, mas 50% ainda olha para a gente e vira a cara”, ressalta Palácio.

Manifesto - Em meio aos hinos que viraram marca do público GLS (Gays Lésbicas e Simpatizantes), como "I Will Survive", o grupo aproveitou a parada para protestar contra a homofobia – violência cometida contra homossexuais e também para lembra o momento de crise que vive o País, se manifestando contrário ao Mensalão.

A cantora Rita Cadilac fechou o movimento com uma apresentação na praça Ary Coelho.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)