Cassilândia, Sábado, 26 de Maio de 2018

Últimas Notícias

22/02/2006 08:53

Direito à incorporação em aposentadoria só até 1997

STJ

A incorporação de valor referente à função comissionada na aposentadoria, denominada "opção", só é devida a servidores que implementaram as condições para a inativação até 10 de novembro de 1997 e que, até aquela data, satisfaziam as condições fixadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU). A questão foi decidida pelo Conselho de Administração do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Uma servidora do Tribunal que requereu a aposentadoria em 2004 com proventos proporcionais pretendia que neles fosse incluída a parcela referente à função comissionada. Trata-se de uma vantagem denominada "opção", que consiste na remuneração do cargo efetivo mais 70% do valor base do nível da função comissionada a ela devida. A "opção" é feita pelo servidor entre a remuneração relativa ao cargo em comissão ou a remuneração do seu cargo efetivo mais 70% do valor base do cargo em comissão exercido.

Inicialmente, a pretensão da incorporação foi negada, sendo a aposentadoria da servidora concedida no dia 1º de dezembro de 2004. O argumento foi de que a servidora não teria o direito porque, quando completou tempo para aposentar-se, não recebia mais "quintos" e sim VPNI (Vantagem Pessoal Nominalmente Identificada). Ocorre que, antes da publicação do ato de sua aposentadoria, em 17 de setembro daquele ano, a servidora pediu que o caso fosse levado ao Conselho de Administração do STJ.

A servidora sustentou que, para ter somada à aposentadoria a vantagem "opção", bastaria que tivesse incorporado o valor à sua remuneração durante a atividade. Para a servidora, o TCU não poderia ter fixado requisitos para extensão da "opção" aos proventos de aposentadoria, fosse antes ou depois da revogação do artigo 193 da Lei nº 8.112/90 (Regime Jurídico Único dos Servidores Civis da União).

Este artigo foi revogado em 1997 e estabelecia que o servidor que tivesse exercido função de direção, chefia, assessoramento, assistência ou cargo em comissão, por período de cinco anos consecutivos ou de dez anos interpolados, poderia aposentar-se com a gratificação da função ou remuneração do cargo em comissão, de maior valor, desde que exercido por um período mínimo de dois anos.

A servidora disse ainda que a vantagem do artigo 193 teria ficado assegurada aos servidores que satisfizeram as condições de aposentadoria até a data de sua extinção, o que seria o seu caso, e não para servidores que haviam satisfeito os requisitos estabelecidos no artigo revogado.

O relator do processo administrativo foi o ministro Barros Monteiro, vice-presidente do STJ. Ele afirmou que a servidora não possui direito adquirido à inclusão da vantagem "opção". Para o ministro, vale o disposto no artigo 7º da Lei nº 9.624/98, que assegurou "o direito à vantagem de que trata o artigo 193 da Lei 8.112/90 aos servidores que, até 19 de janeiro de 1995 tenham completado todos os requisitos para a obtenção da aposentadoria dentro das normas vigentes".

O ministro relator destacou que a servidora somente implementou as condições para a aposentadoria voluntária em 7 de janeiro de 2003. Segundo o ministro Barros Monteiro, o que foi facultado à servidora foi apenas optar pela remuneração de seu cargo efetivo mais os 70% do valor base da FC durante o exercício do cargo em comissão. Não era dado à servidora o direito de incorporar o valor à remuneração e levá-lo para cálculo de aposentadoria, já que estava revogado o artigo 193 da Lei nº 8.112/90.

O Conselho de Administração é um órgão do STJ que trata exclusivamente de matérias administrativas, não possuindo competência jurisdicional (não trata de julgamentos de processos). É composto por 15 ministros – o presidente, o vice-presidente, o coordenador-geral da Justiça Federal e os dois ministros mais antigos de cada Turma.

Autoria:Sheila Messerschmidt

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 26 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Sexta, 25 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)