Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

22/02/2006 08:53

Direito à incorporação em aposentadoria só até 1997

STJ

A incorporação de valor referente à função comissionada na aposentadoria, denominada "opção", só é devida a servidores que implementaram as condições para a inativação até 10 de novembro de 1997 e que, até aquela data, satisfaziam as condições fixadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU). A questão foi decidida pelo Conselho de Administração do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Uma servidora do Tribunal que requereu a aposentadoria em 2004 com proventos proporcionais pretendia que neles fosse incluída a parcela referente à função comissionada. Trata-se de uma vantagem denominada "opção", que consiste na remuneração do cargo efetivo mais 70% do valor base do nível da função comissionada a ela devida. A "opção" é feita pelo servidor entre a remuneração relativa ao cargo em comissão ou a remuneração do seu cargo efetivo mais 70% do valor base do cargo em comissão exercido.

Inicialmente, a pretensão da incorporação foi negada, sendo a aposentadoria da servidora concedida no dia 1º de dezembro de 2004. O argumento foi de que a servidora não teria o direito porque, quando completou tempo para aposentar-se, não recebia mais "quintos" e sim VPNI (Vantagem Pessoal Nominalmente Identificada). Ocorre que, antes da publicação do ato de sua aposentadoria, em 17 de setembro daquele ano, a servidora pediu que o caso fosse levado ao Conselho de Administração do STJ.

A servidora sustentou que, para ter somada à aposentadoria a vantagem "opção", bastaria que tivesse incorporado o valor à sua remuneração durante a atividade. Para a servidora, o TCU não poderia ter fixado requisitos para extensão da "opção" aos proventos de aposentadoria, fosse antes ou depois da revogação do artigo 193 da Lei nº 8.112/90 (Regime Jurídico Único dos Servidores Civis da União).

Este artigo foi revogado em 1997 e estabelecia que o servidor que tivesse exercido função de direção, chefia, assessoramento, assistência ou cargo em comissão, por período de cinco anos consecutivos ou de dez anos interpolados, poderia aposentar-se com a gratificação da função ou remuneração do cargo em comissão, de maior valor, desde que exercido por um período mínimo de dois anos.

A servidora disse ainda que a vantagem do artigo 193 teria ficado assegurada aos servidores que satisfizeram as condições de aposentadoria até a data de sua extinção, o que seria o seu caso, e não para servidores que haviam satisfeito os requisitos estabelecidos no artigo revogado.

O relator do processo administrativo foi o ministro Barros Monteiro, vice-presidente do STJ. Ele afirmou que a servidora não possui direito adquirido à inclusão da vantagem "opção". Para o ministro, vale o disposto no artigo 7º da Lei nº 9.624/98, que assegurou "o direito à vantagem de que trata o artigo 193 da Lei 8.112/90 aos servidores que, até 19 de janeiro de 1995 tenham completado todos os requisitos para a obtenção da aposentadoria dentro das normas vigentes".

O ministro relator destacou que a servidora somente implementou as condições para a aposentadoria voluntária em 7 de janeiro de 2003. Segundo o ministro Barros Monteiro, o que foi facultado à servidora foi apenas optar pela remuneração de seu cargo efetivo mais os 70% do valor base da FC durante o exercício do cargo em comissão. Não era dado à servidora o direito de incorporar o valor à remuneração e levá-lo para cálculo de aposentadoria, já que estava revogado o artigo 193 da Lei nº 8.112/90.

O Conselho de Administração é um órgão do STJ que trata exclusivamente de matérias administrativas, não possuindo competência jurisdicional (não trata de julgamentos de processos). É composto por 15 ministros – o presidente, o vice-presidente, o coordenador-geral da Justiça Federal e os dois ministros mais antigos de cada Turma.

Autoria:Sheila Messerschmidt

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)