Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

24/08/2015 08:30

Dietas da moda - o que acontece quando restringimos nossa alimentação

Portal Segs

 

Há tempos que a ditadura da beleza, disseminada pelos meios de comunicação e passarelas, impõe um padrão às vezes inalcançável para muitas pessoas. Assim surgem as dietas da moda, que hoje se tornaram uma questão de saúde pública, já que causam tantos males e doenças como a bulimia, anorexia, compulsão e até depressão.

Esses modismos alimentares que restringem determinados nutrientes, prometendo milagres e tendo como “garotas propaganda” celebridades viraram tendência nos últimos anos. Neste histórico, ficou conhecida no fim dos anos 90 a “Dieta da Proteína”, desenvolvida pelo dr. Atikins, que reduzia o consumo de carboidrato na alimentação e os pacientes perdiam peso. Cerca de 20 anos depois o livro Dukan Diet foi publicado no Reino Unido e ganhou grande repercussão mundial. A “Dieta Dukan” ou “Dieta Francesa das Proteínas”, que emagreceu a princesa Kate Meddleton e mudou o corpo de Jennifer Lopez, ficou famosa na Europa, nos Estados Unidos e no Brasil.

Mas o que acontece com o nosso corpo quando restringimos o carboidrato da alimentação?
Junto com alimentos fonte de carboidrato, encontramos vitaminas e minerais importantes para o funcionamento do corpo. Desta maneira, as dietas com restrição podem acarretar carências nutricionais importantes.

Os carboidratos são a nossa principal fonte de energia. São também responsáveis por atividades corriqueiras como andar, correr e trabalhar. De acordo com o Ministério da Saúde, devemos consumir entre 50 e 60% deste nutriente por dia em nossa alimentação. Ou seja, de tudo o que consumimos por dia, pelo menos metade precisa ser fonte de carboidrato. Quando há restrição, algumas consequências comuns são dores de cabeça, stress, irritabilidade e lentidão de raciocínio.

Com o consumo adequado e equilibrado, dentro das porções recomendadas para cada um, os benefícios são claros: fornecimento de fibras, minerais e vitaminas; aumento de performance, metabolismo do corpo em harmonia e até prevenção de algumas doenças como obesidade.

Quando o objetivo é emagrecer, o mais indicado é a conversa com um nutricionista para, proporcionalmente, fazer uma redução de tudo o que é consumido ao longo do dia, sempre respeitando preferências e restrições. Quando se exclui um grupo de alimentos do dia-a-dia é provável que em longo prazo possa conduzir a uma deficiência. E o pior, levar a compulsões, fator perigoso e preditivo dos transtornos alimentares.

O mito do gluten-free

O endocrinologista Dr. Marcello Delano Bronstein, professor da Faculdade de Medicina da USP - Universidade de São Paulo, traz à tona outro tema de repercussão: “Gluten-Free ou NÃO”. Quem de fato deve restringir o glúten da alimentação?

Segundo o especialista, é necessário alertar para o vasto leque de manifestações clínicas da doença celíaca, que atinge 1% da população mundial, mas sem que se deixe de tomar atenção à crescente popularidade das dietas gluten-free. Para ele, o aval de celebridades para os méritos deste tipo de regime alimentar ajuda na disseminação de erros e inverdades, já que não existem publicações e evidências científicas que atestem que a retirada do glúten da alimentação leva ao emagrecimento de pessoas sem doença celíaca ou livres de sensibilidade ao glúten.

Bronstein reforça ainda a importância de assinalar que as dietas gluten-free não necessariamente são hipocalóricas, uma vez que alguns produtos sem glúten consumidos nas dietas efetivamente têm maior valor calórico do que seus equivalentes que contém o nutriente.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)