Cassilândia, Terça-feira, 02 de Junho de 2020

Últimas Notícias

02/04/2019 09:20

Desconto em compra à vista precisa crescer para empatar juro do crediário

Correio do Estado

 

Os descontos oferecidos em compras à vista precisam ser maiores do que os 5% praticados atualmente no comércio online para estimular a adoção do crediário do cartão, a nova linha de crédito lançada pelos grandes bancos na semana passada.

Com o crediário do cartão de crédito, ao invés de o cliente pedir ao lojista para pagar em prestações, quitará a compra à vista no cartão e poderá, na tela da maquininha, contratar o parcelamento, mas com juros.

Segundo os bancos, isso pode estimular o vendedor a oferecer descontos, porque ele receberá a venda em até cinco dias e deixará de ter custos com antecipação de recebíveis, quando antecipa parcelas das vendas a prazo.

O crediário do cartão de crédito era a única de 21 medidas defendidas pelo setor para reduzir os juros cobrados dos consumidores.

A Abecs (associação da indústria de cartões) defende ainda que o crediário ajudaria lojistas que hoje não conseguem parcelar compras, porque não têm capital de giro.

Justamente por isso, o produto começa pelos lojistas menores; só no segundo semestre deve chegar a grandes varejistas, e ainda não há previsão de adoção no comércio online.

O percentual de desconto oferecido no e-commerce para pagamentos à vista serve, porém, como uma régua para o cálculo da atratividade do novo crédito.

No final de 2016, uma medida provisória liberou a diferenciação de preços conforme o tipo de pagamento: dinheiro, cheque, cartão de débito ou crédito, por exemplo.

No entanto, a prática não pegou. Para Boanerges Ramos Freire, presidente da consultoria Boanerges&Cia, o motivo é a dificuldade de anunciar uma promoção com preços distintos.

Mesmo nos casos em que o parcelamento com juros possa sair mais barato, como em prazos mais curtos de pagamento, há ainda o desafio de criar a cultura de vendas a prazo com juros.

"A gente coloca na rua um produto que tem um concorrente desleal, o parcelado sem juros. Se a gente não tiver proatividade, talvez demore mais para a adoção", afirma Rogério Panca, diretor de Meios de Pagamento do Banco do Brasil.

Para isso, os bancos estão iniciando a linha com juros a partir de 0,99%, caso do Itaú e do Bradesco.

O custo é mais baixo do que a taxa média praticada em créditos com garantia, como o consignado (com desconto em folha de pagamento) e o financiamento de veículos.

"Quando amplia a quantidade de pessoas que adotam produto que tem juros, isso permite que o mercado cobre taxas menores", afirma Marcelo Kopel, diretor do Itaú Unibanco.

Simulações feitas pela Folha mostram que, para o parcelamento em 10 vezes, o desconto de 5% faria o produto parcelado a juro de 0,99% custar praticamente o mesmo caso o cliente tivesse pago o valor em "10 vezes sem juros" no parcelamento da loja.

Em prazos menores, nessa taxa, o desconto pode ser vantajoso. Taxas maiores, que devem ser mais frequentes, tiram a competitividade do produto.

Panca, do Banco do Brasil, afirma ainda que as taxas podem se manter relativamente baratas porque se somam a outras receitas que os bancos já geram com o cartão de crédito.

São elas a anuidade, os juros de parcelamento de fatura e rotativo e ainda a taxa de intercâmbio, o percentual que o banco recebe a cada vez que o cartão é utilizado.

"O crediário pode ser porta de entrada para aumentar faturamento e uso do cartão", afirma Panca.

Há também uma segunda dificuldade, mas que os bancos ainda não consideram preocupante: o comprometimento do limite do cartão.

Quando o consumidor fizer uma compra mais cara, poderá congelar uma fatia grande do total que o banco permitiu que gastasse no cartão. E com prestações baixas em um prazo longo, o limite demora a ficar disponível novamente.

O Bradesco afirmou que a prestação mínima do crediário será de R$ 10 e o valor mínimo da compra a ser financiada, R$ 200. Os demais bancos não detalharam as condições.

Kopel diz que o banco deve acompanhar o uso e a capacidade de pagamento da fatura em dia para elevar o limite de crédito e evitar que o cartão "vá para a gaveta porque estourou". Isso, segundo ele, independe do novo crediário.

"Nossa maior preocupação é não gerar superendividamento", afirma o executivo do Itaú.
No Banco do Brasil, os limites de crédito para compras recorrentes e no crediário são diferentes, mas podem ser deslocados rapidamente.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 01 de Junho de 2020
14:49
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)