Cassilândia, Segunda-feira, 21 de Maio de 2018

Últimas Notícias

20/10/2006 15:46

Derrubada lei que isenta aposentado de pagar Cassems

Atendendo contestação do governo do Estado, o STF (Supremo Tribunal Federal) declarou inconstitucional parágrafo da lei que isentava os servidores estaduais aposentados da contribuição destinada à manutenção de plano de saúde do Estado – extinto Previsul e atual Cassems (Caixa de Assistência aos Servidores de Mato Grosso do Sul). Promulgada pela Assembléia Legislativa, o parágrafo primeiro da referida lei propunha a exclusão da contribuição de “segurados aposentados e pensionistas, militares reformados e reservistas, bem como os seus dependentes pelo extinto Previsul, e os demais segurados por essa lei que adquiriram o direito à aposentadoria em data posterior à publicação”.


A PGE (Procuradoria Geral do Estado) alegou que a norma seria inconstitucional em seu aspecto formal e material. No primeiro aspecto, argumenta que projeto de lei, que implique aumento de despesa pública, seria de iniciativa exclusiva do governador estadual. Quanto ao aspecto material haveria ofensa a artigos da Constituição Federal que trata sobre a ofensa ao princípio da igualdade e da razoabilidade, além de violação a normas constitucionais de finanças públicas e orçamento.


O relator, ministro Sepúlveda Pertence, submeteu o processo diretamente ao Plenário para seu julgamento definitivo. Em seu voto, o ministro informou que o dispositivo atacado é independente do restante da Lei, pois se trata apenas de exclusão da regra de contribuição aos beneficiários nele indicados. Não cabe, no caso, o entendimento do procurador-geral da República, que não conhecia o pedido porque ocorreria o efeito repristinatório, quando outra lei não impugnada seria atingida pela ação.


O relator afastou a alegação da PGE de inconstitucionalidade formal, já que a matéria não é de iniciativa exclusiva do Executivo Estadual, pois não se trata de matéria orçamentária. Além disso, a Constituição não é de observância obrigatória dos estados, pois se destina exclusivamente aos territórios federais. Quanto à inconstitucionalidade material Sepúlveda Pertence declarou que “a norma impugnada concede benefícios sem a devida correspondência de receita”. Dessa forma o relator julgou procedente a Adin (Ação Indireta de Inconstitucionalidade) impetrada pelo governo do Estado e declarou inconstitucional a norma atacada, sendo que o seu voto foi seguido, por unanimidade, pelo Plenário do STF.




Daniel Pedra / Midiamaxnews

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 21 de Maio de 2018
Domingo, 20 de Maio de 2018
15:18
Cassilândia/Itajá
Sábado, 19 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)