Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

06/08/2016 13:23

Derrota contra Grã-Bretanha abre história olímpica do rugby feminino brasileiro

Vinicius Oliveira, Agência Brasil

 

A história olímpica do Brasil no rugby de sete feminino começou com um confronto difícil contra a Grã-Bretanha, em que as brasileiras conseguiram se impor em boa parte do primeiro tempo, mas sofreram quatro "trys" nos sete minutos seguintes. No rugby, um try é marcado quando um jogador consegue chegar ao fundo do campo adversário, e ele é convertido quando o atleta ainda consegue chutar a bola e marcar "um gol". Cada try vale cinco pontos, e a conversão vale mais dois.

Beatriz Muhlbauer acredita que o time começou bem, mas não manteve o mesmo nível. "Acho que a gente fez um ótimo primeiro tempo. No segundo, cometemos muitos erros", disse ela. Para ela, a partida foi "mais ou menos" um bom começo para a história olímpica do esporte para o Brasil. "A gente fez um bom primeiro tempo, mas podia ter errado um pouquinho menos no segundo tempo para fazer um jogo mais bacana."

O placar final foi 29 a 3 para as britânicas, que fizeram três "trys" com Natasha Hunt, Jasmine Joyce e Emily Scot e ainda converteram os dois feitos por Joanne Watmore e Katy McLean. As brasileiras marcaram um pênalti, com Raquel Kochhann, ainda no segundo tempo.

Beatriz avalia que o clima pesou a favor do Brasil, com o sol forte no Rio de Janeiro. "É perfeito pra gente. A gente queria que elas tivessem cansado mais", brinca ela. "Pra mim, quanto mais quente, melhor, mais bochechas rosas eu vou ver, então está lindo."

O apoio da torcida brasileira também deu força para ajudar o país a enfrentar as britânicas, que ocupam a quarta colocação no ranking mundial. As brasileiras apoiaram o time, vaiaram as britânicas quando tomavam a bola e aplaudiram as jogadas do Brasil, que ocupa a 10ª posição no ranking mundial.

"É bacana ter a torcida do lado torcendo e apoiando desde o primeiro minuto, mesmo que a gente erre ou acerte. Ter eles faz toda a diferença", disse a brasileira Edna Santini. "A gente evoluiu contra a Grã-Bretanha. No torneio que a gente faz, no circuito mundial, elas ficam mais tempo com a bola e agora foi diferente. Tem que ver os erros, os detalhes e poder converter."

Bandeiras do país e também da Grã-Bretanha podiam ser vistas na arquibancada, além de outras de países que também jogaram hoje, como a líder do ranking mundial Nova Zelândia, que venceu o Quênia por 52 a 0. O Brasil terá outro jogo hoje, contra o Canadá, que é o terceiro no ranking mundial.

Edição: Talita Cavalcante

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)