Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

09/01/2006 14:05

Deputado defende a retirada dos soldados do Haiti

Cecília Jorge/ABr

O deputado Orlando Fantazzini (Psol-SP), membro da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, defendeu a retirada dos soldados brasileiros do Haiti. No sábado (7), o chefe militar da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah), o general brasileiro Urano Teixeira da Matta Bacellar, foi encontrado morto com um tiro no hotel onde morava em Porto Príncipe, capital haitiana.

Segundo ele, o Brasil não deve continuar a fazer "um papel extremamente desgastante e desagradável" sem o apoio financeiro dos demais países que integram a força de paz. "Quando o Brasil assumiu a missão havia um pacto entre os diversos países de que ocorreriam recursos para ajudar a recuperação do país. Os diversos países assumiram esse compromisso que até agora não estão cumprindo", disse.

Fantazzini afirmou que o investimento é importante não apenas para viabilizar as ações de estabelecimento da segurança, mas também para a reestruturação do Haiti. "A recuperação não é só na perspectiva da segurança. A insegurança no país é fruto de falta de políticas públicas na área social, atendimento adequado às famílias, às pessoas".

O deputado lembrou que o Brasil e outros países já fizeram pressão para que o compromisso do repasse de recursos, assumido por países como França e Estados Unidos, fosse cumprido. "Estados Unidos e França deixaram toda essa situação caótica no país. Agora o Brasil vai lá para fazer um papel extremamente desgastante e desagradável que é se colocar como força de paz. E nós todos sabemos que a força de paz acaba tendo atitudes que contrariam preceitos da própria paz", comentou.

Segundo Fantazzini, a situação no Haiti tende a se agravar caso não sejam feitos investimentos para a recuperação econômica e social do país. "O Brasil não pode ficar arcando sozinho com esse ônus porque é um ônus extremamente desgastante até porque se não houver investimentos a tendência é se acirrar cada vez mais a tensão dentro do país".

A Minustah chegou ao Haiti com a missão de garantir a estabilidade social e política do país, depois da queda do ex-presidente Jean Bertrand Aristide, em fevereiro de 2004. O Brasil tem o maior efetivo, com cerca de 1.200 soldados, e o comando da força militar composta por diversos países. O primeiro militar brasileiro a comandar as tropas no país foi o general Augusto Heleno Pereira, substituído em setembro do ano passado. O novo comandante foi justamente o general Urano Bacellar, encontrado morto em seu quarto no sábado (7).

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)