Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

24/09/2005 10:31

Deputado candidato em 2006 pode trocar partido até sexta

Agência Câmara

Os deputados que pretendem se candidatar a algum cargo nas eleições de 2006 têm até a próxima sexta-feira (30) para mudar de partido. De acordo com a legislação, o candidato precisa estar filiado a partido político por pelo menos um ano antes da data das eleições. Atualmente, oito deputados estão sem partido na Câmara.
Desde o início desta legislatura, em fevereiro de 2003, 145 deputados mudaram de legenda. Alguns mais de uma vez, por isso já são 236 as trocas de partido. A legenda que mais ganhou parlamentares com as mudanças foi o PMDB, que passou de 70 deputados para 87. E o partido que mais perdeu foi o PFL, cuja bancada caiu de 75 para 58 deputados.
O Congresso analisa uma série de propostas que mudam a legislação eleitoral para evitar abusos nas trocas de partidos. Entre eles, está o projeto da Comissão Especial da Reforma Política (PL 1712/03), que aumenta para dois anos antes das eleições o período em que o filiado fica impedido de trocar de legenda, se quiser concorrer a algum cargo.

Voto desvinculado
Para o cientista político da Universidade de Brasília Otaciano Nogueira, as constantes mudanças partidárias desmoralizam a política. "Isso tem má repercussão no eleitorado, pois o eleitor elege alguém por um partido e três meses depois ele está em outro. Quando você vota no candidato, você está votando no partido também."
Apesar de apoiar o maior tempo de fidelidade partidária antes das eleições, Nogueira afirma que o ideal seria que os candidatos eleitos por um partido fossem obrigados a permanecer na mesma legenda pelos três anos seguintes à eleição. Se após esse período os filiados julgarem que o partido não cumpriu com a sua proposta, os políticos poderiam então mudar de agremiação.
De acordo com a idéia do cientista político, um parlamentar do PT poderia, por exemplo, desvincular-se da legenda no ano anterior às eleições, alegando que o partido não cumpriu com a política econômica prometida.

Opinião do eleitor
Otaciano Nogueira alerta ainda que a reforma política não deveria ser discutida em meio à crise, pois tenderá a se concentrar nos problemas atuais. Para ele, o eleitor também deveria opinar sobre as mudanças na legislação. "As reformas eleitorais que estão sendo propostas atendem apenas o ponto de vista dos eleitos, mas não levam em consideração o ponto de vista dos eleitores, que deveriam decidir sobre o destino político do País. Estão fazendo um referendo sobre o desarmamento, por exemplo, mas nunca se fez um plebiscito sobre se o voto deve ser facultativo ou obrigatório.”

Voto partidário
O deputado João Almeida (PSDB-BA), que foi integrante da Comissão Especial da Reforma Política, discorda do professor da UnB. Ele não acredita que o aumento isolado do tempo de fidelidade partidária vá evitar os abusos na troca de partidos. O deputado defende o voto partidário. "Nosso sistema eleitoral está falido, não atende às necessidades nem aos interesses do povo. O essencial é a mudança do sistema para transformar o voto individual - atribuído a indivíduos - no voto em partidos e propostas."
Almeida também discorda de Nogueira quanto à inconveniência do momento para a discussão da reforma política. Ele acredita, ao contrário, que momentos de crise são ideais para esse tipo de debate.
Um ponto de convergência entre os dois é quanto à necessidade de consultar a população sobre a mudança das regras eleitorais. Para o deputado, porém, talvez o plebiscito não seja a forma adequada. "Se você perguntar ao eleitor se ele quer votar no candidato ou no partido, ele dirá que é no candidato, embora pesquisas feitas uma semana depois da eleição demonstrem que 75% dos eleitores já não sabem mais em quem votaram. O que tem que se explicar é a diferença entre ele votar em um candidato e votar em uma proposta que um grupo de pessoas pode viabilizar."



Reportagem - Paula Bittar
Edição – Paulo Cesar Santos

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)