Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

14/03/2016 06:40

Depois de milhões gastos, obra do Aquário pode ser retomada esta semana

Midiamax

 

De acordo com o secretário Estadual de Infraestrutura, o governo do Estado encaminha à Justiça nesta segunda-feira (14) acordo firmado com a Agesul (Agência de Empreendimentos de Mato Grosso do Sul)e a Egelte, empresa responsável pelo término do Aquário do Pantanal. A tratativa foi feita na semana passada e a estimativa é de que a obra seja finalizada dentro de 14 meses, ou seja, lançada somente em 2017.

“Devemos encaminhar o acordo na segunda”, disse o titular da Seinfra sem dar mais detalhes. Após avaliação da Justiça o documento deve ser validado e o trabalho retomado imediatamente. A solução vem depois de judicialização do caso. A empresa exigia auditoria geral antes de voltar ao canteiro de obras e o Executivo, por sua vez, se negava a realizar o levantamento.

O TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) então interviu e propôs conciliação. Houveram dois encontros jurídicos sem avanço. Mas na última quinta-feira (10) a nova negociação foi anunciada à imprensa.

No último encontro entre as partes, a Agesul estimava um custo final de R$ 230 milhões, enquanto a empreiteira falava em R$ 240 milhões, sendo que R$ 200 milhões já foram gastos na obra. A finalização será feita por meio de aditivos. A Egelte já revelou que vai convocar nos próximos dias as empresas contratadas como a Fluidra e Climatec, para retomada dos trabalhos.

Polêmica – Mesmo diante do entendimento entre as partes, a força-tarefa da Operação Lama Asfáltica vai investigar irregularidades cometidas durante todos os mais de 4 anos de obra. No último dia 18 os promotores de Justiça explicaram que por se tratar de construção complexa a apuração vai desde a parte civil até os outros serviços que fazem parte da composição.

O Aquário foi iniciado em 2011 na gestão do então governador do Estado, André Puccinelli (PMDB). Até 2013 a Egelte, vencedora do processo licitatório, comandou a obra, mas a Proteco Construções, de propriedade de João Amorim, um dos denunciados na Lama Asfáltica, tomou dianteira. Em julho do ano passado, após a operação vir à tona, os Ministérios Públicos Federal e Estadual pediram que os contratos com a empreiteira com o poder público fossem rompidos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)