Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

22/03/2010 16:47

Dengue fulminante mata funcionário público após 72 horas

Campo Grande News/ Edivaldo Bitencourt

A dengue causou mais uma morte em Campo Grande. Eletricista da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul há 31 anos, Joel Mota, 54 anos, morreu após apresentar os sintomas da doença e ficar internado por menos de 72 horas em um hospital particular da Capital.

Esta pode ser a 12ª morte causada pela epidemia na Capital e a 26º no Estado. São sete mortes confirmadas na cidade e mais quatro sob investigação. No Estado, 16 foram confirmadas e nove estão sob suspeita.

Mota apresentou os primeiros sintomas, febre e dores no corpo no domingo, 7 de março. Foi a Hospital El Kadri, onde tomou soro e foi medicado como se tivesse com virose. Na segunda-feira, ele voltou ao hospital, quando a equipe médica passou a tratar o caso como dengue.

Segundo a filha do funcionário público, a auxiliar administrativo Valéria Cristina Mota, 30, o pai voltou a passar mal na quarta-feira à noite. Com febres e muita dor de estomago, ele pediu para ser internado.

Fulminante -Após a internação, o quadro de saúde de Joel Mota se agravou. Na quinta-feira, ele continuava reclamando de muita dor de estomago e dificuldades para urinar.

Na sexta-feira, no segundo dia de internação, ele passou a ter dificuldade de respirar. A médica recomendou a transferência para o CTI (Centro de Terapia Intensiva). Valéria contou que conversou com o pai, que não ofereceu resistência. “Dei um beijo nele e ele falou ta bom filha”, contou Valéria, emocionada.

No sábado, ele já estava em coma, respirava com a ajuda de aparelhos e os rins pararam, o que obrigou a equipe médica a realizar hemodiálise. Os médicos informaram que os músculos tinham paralisados em decorrência da dengue e infeccionado, o que levou o paciente a apresentar febre muito alta.

Ele faleceu na tarde de sábado, em decorrência de insuficiência respiratória, infecção generalizada e “dengue” (conforme descrição do laudo médico).

Alerta – A perda faz Valéria Mota alerta a população para que adote os cuidados para combater a epidemia da doença. “Cada um deve fazer sua parte. Em casa não tem nada, vaso de planta, nada (que acumule água)”, contou, emocionada Valéria.

Campo Grande enfrenta a epidemia de dengue mais letal da sua história. É a segunda epidemia em três anos. Em 2007, mais de 45 mil pessoas contraíram a doença, mas apenas duas pessoas morreram.

Neste ano, com quase 25 mil casos notificados, já são sete mortes confirmadas e mais quatro sob suspeita, sem considerar a de Joel Mota.



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)