Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

09/05/2011 15:23

Demanda aquecida faz importação de combustíveis crescer 31% em abril

Vinicius Konchinski, Agência Brasil

São Paulo – Dados da balança comercial parecem mostrar que a produção nacional de combustíveis não tem sido suficiente para abastecer a frota brasileira e, com isso, a importação do produto tem aumentado. Só em abril, segundo os dados da balança, a importação de combustíveis cresceu 31,4% comparada com a de março.

De março para o abril, o valor médio das importações diárias de combustíveis e lubrificantes subiu de US$ 130,6 milhões (cerca de R$ 210 milhões) para US$ 171,6 milhões (cerca de R$ 275 milhões). Na comparação entre abril deste ano e abril do ano passado, o crescimento das importações foi de 40,9%. Há um ano, a média diária de importações de combustíveis e lubrificantes estava em U$S 121,9 milhões (R$ 195,5 milhões).

Na divulgação da balança comercial, o secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Alessandro Teixeira, afirmou que o aumento das importações de combustíveis foi causado pelo crescimento da demanda, mas que a situação tende a voltar à normalidade.

Para o consultor e ex-superintendente da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Adriano Pires, o aumento da importação de combustíveis foi causado principalmente pela compra de gasolina. Vale ressaltar que o dado da balança diz respeito à compra, no mercado externo, de combustíveis em geral e de lubrificantes, não há dados separados sobre a importação de gasolina. Pires disse que o consumo de gasolina aumentou muito nos últimos meses e as distribuidoras nacionais, entre elas a Petrobras, tiveram que importar o produto para suprir a demanda interna.

“O Brasil está sem gasolina”, afirmou Pires, em entrevista à Agência Brasil. “O mercado cresceu muito e não temos produção para atender a todos.” Em fevereiro, a Petrobras anunciou que iria importar o produto diante do aumento da demanda, “consequência da redução da oferta de etanol no mercado\" e também da redução, em termos percentuais, da mistura de etanol anidro à gasolina.

Na nota divulgada então, a estatal afirmou que o volume a ser importado representava o consumo de três dias, “nas condições atuais de demanda aquecida.” E registrava que o crescimento no consumo de gasolina tinha sido entre 15% e 20% nos dois primeiros meses de 2010, em relação ao mesmo período de 2009, em função da redução da oferta de etanol. O combustível renovável sofre oscilações de oferta devido aos períodos de entressafra da cana-de-açúcar. Além disso, a Petrobras garantiu que a importação não teria influência nos preços cobrados pela gasolina em suas refinarias.

Na avaliação de Adriano Pires, o aumento da demanda por gasolina tem dois motivos básicos: primeiro, o aumento da frota; segundo, a opção de parte dos consumidores de abastecer seus veículos com gasolina devido à alta do etanol nos postos de combustível. Em abril, o preço do álcool combustível subiu 10,36% nos postos de São Paulo, segundo a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). A gasolina aumentou 6,62%.

O aumento da gasolina, contudo, não tem a ver com o crescimento das importações, segundo o professor e pesquisador da Fundação Getulio Vargas (FGV) Mauricio Canêdo. Para ele, a alta está ligada ao preço do álcool, que compõe até 25% da gasolina vendida nos postos.

Canêdo afirmou que a Petrobras mantém o preço da gasolina pura, vendida por suas refinarias, desde 2009. Isso acaba fazendo com que a gasolina importada tenha preços parecidos com os da nacional. O pesquisador disse, porém, que não é possível saber se a estatal conseguirá segurar o preço do combustível por mais tempo caso o preço do petróleo aumente. “Não dá para manter o preço indefinidamente. Talvez a Petrobras não consiga segurar”, afirmou. Se o preço aumentar nas refinarias, a tendência é aumentar também nos postos e isso teria impacto na inflação, segundo Canêdo.

Em reposta à Agência Brasil, sobre a capacidade de atendimento da demanda e o preço da gasolina, a Petrobras garantiu que suas refinarias têm condição de atender à demanda nacional de combustíveis e que não prevê aumentar o preço da gasolina vendida às empresas que distribuem o produto aos postos do país.

A empresa ressaltou, entretanto, que “nos primeiros meses do ano, houve uma aumento inesperado do consumo [de gasolina]”. Por isso, ela “cancelou as exportações de gasolina e importou 1,5 milhões de barris em abril e vai importar 1 milhão de barris em maio\".


Edição: Lana Cristina/

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)