Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

21/02/2013 08:06

Delegada espera concluir em 10 dias inquérito sobre morte de índio em MS

Alex Rodrigues, Agência Brasil

Brasília – Responsável por apurar as circunstâncias da morte de um adolescente indígena no último sábado (16), em Caarapó (MS), a delegada de polícia Magali Leite Cordeiro espera concluir o inquérito policial em no máximo dez dias. Oficialmente, o prazo para a conclusão das investigações é 30 dias, prorrogáveis por mais 30 dias.

Segundo a delegada, embora seja um “crime de grande repercussão”, a Polícia Civil assumiu a investigação por se tratar de um crime comum, doloso (com intenção de matar) ocorrido no interior de uma propriedade particular. Caso as investigações apontem para a possibilidade de o assassinato ser resultante de um conflito por terras entre índios e fazendeiros, a Polícia Federal (PF) poderá ser acionada. Esta manhã, a polícia apreendeu uma carabina calibre 22 na sede da fazenda. A legalidade da arma ainda está sendo apurada.

Ontem (19), o fazendeiro Orlandino Carneiro Gonçalves, de 61 anos, confessou ser o autor dos disparos que mataram o adolescente Denílson Barbosa. Dono da Fazenda Sardinha, vizinha à Aldeia Guarani-Kaiowá Tey´ikue, onde Denílson vivia, Gonçalves se apresentou espontaneamente à polícia e foi solto após prestar depoimento e assumir a autoria do crime. Segundo o delegado regional, Antônio Carlos Videira, a hipótese de a Polícia Civil pedir a prisão preventiva ou temporária do fazendeiro ainda não foi descartada.

Além de Gonçalves, também foram ouvidos um funcionário da fazenda e um arrendatário de parte da propriedade. A delegada disse à Agência Brasil que outras testemunhas foram convocadas para prestar depoimentos. Entre elas, os policiais militares que atenderam à ocorrência e índios que moram na aldeia. Neste momento, a delegada está ouvindo o pai e os dois jovens que estavam com Barbosa quando ele foi morto..

Por causa do crime, o ambiente é tenso na aldeia, agravada pela “situação de vulnerabilidade” em que vive os índios. Apesar de acompanhada por alguns líderes indígenas e um representante da Fundação Nacional do Índio (Funai), a delegada foi recebida com desconfiança. “Minha grande dificuldade é conscientizá-los de que eles são as vítimas e que eu estou lá para fazer meu trabalho, que é apurar as circunstâncias do crime e apontar os autores. Para isso, tenho que ouvir as várias versões. Devido à situação de vulnerabilidade, eles não conseguem confiar em ninguém”, disse a policial.

Mas, para o antropólogo e líder guarani-kaiowá Tonico Benites, tudo não passou de um mal-entendido, embora os índios de fato cobrem que a PF acompanhe a investigação. “Até ontem não estava claro quem ia investigar o caso. Não há nada contra a Polícia Civil, embora a comunidade queira também a presença de representantes da Polícia Federal. O importante é que tudo seja apurado com rigor e rapidez”, declarou Benites à Agência Brasil.

Em seu depoimento, o fazendeiro disse ainda que não tinha a intenção de atingir o adolescente. Segundo a delegada, Gonçalves sustenta que estava sozinho em casa quando, por volta das 20 horas, ouviu os cachorros latindo e correndo na direção de um açude usado como criadouro de peixes, no interior da fazenda. O fazendeiro disse que foi até o local, viu vultos e atirou na direção deles. Ao chegar perto se deparou com um corpo caído. Foi quando se deu conta de que havia baleado uma pessoa.

O adolescente, segundo o fazendeiro, ainda estava vivo. Gonçalves garante ter colocado Barbosa na caçamba de sua caminhonete com a intenção de levá-lo ao hospital de Caarapó. Ao chegar próximo ao acesso à estrada para a cidade, contudo, avistou uma aglomeração que imaginou ser de índios à procura do jovem. Com medo de ser agredido, retornou e deixou o jovem ferido à margem da estrada, supostamente no mesmo local onde o corpo foi encontrado na manhã seguinte. A Agência Brasil tentou falar com a advogada de Gonçalves, mas não conseguiu localizá-la.

A versão do irmão de Barbosa, de 11 anos, e do cunhado, de 20 anos, é diferente. Segundo eles, os três saíram para pescar no final da tarde de sábado (16) e planejavam ir a um córrego cuja nascente fica no interior da terra indígena que cruza algumas fazendas. Eles disseram que ao entrar na fazenda, separada da aldeia por uma estrada, e se aproximar do criadouro, foram abordados por três homens armados, que dispararam. Na fuga, Barbosa ficou preso em uma cerca de arame farpado, foi alcançado pelos pistoleiros e agredido.

O coordenador substituto do escritório da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Dourados, Vander Aparecido Nishijima, esteve ontem (19) na reserva e ouviu a mesma versão dos dois jovens, que chegaram a identificar os três homens pelos apelidos, um deles conhecido como Paraguaio.

Segundo o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), desde a criação do território indígena, em 1924, os índios são obrigados a pescar fora de suas terras, porque que não há peixes nas nascentes dos córregos existentes no interior da reserva. Segundo o Cimi, isso tem provocado problemas e causado conflitos recorrentes. Cerca de 5 mil índios vivem na Terra Indígena de Caarapó, que mede cerca de 3,5 mil hectares (1 hectare corresponde a 10 mil metros quadrados, aproximadamente as medidas oficiais de um campo de futebol).

Edição: Aécio Amado

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)