Cassilândia, Terça-feira, 22 de Maio de 2018

Últimas Notícias

10/07/2009 15:56

Delcídio classifica como "muito ruim” projeto da pesca

Fernanda França, Campo Grande News

O senador Delcídio do Amaral (PT-MS) classificou hoje como “muito ruim” o projeto de Lei sobre a pesca, que tramita na Assembléia Legislativa.

“Estudei, detidamente, projeto que tramita na Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul sobre pesca. É ruim... e bota ruim nisso!”, afirmou o senador em seu Twitter.

A proposta, apresentada pelo Executivo, chegou à Casa dia 30 de junho e já recebeu dezenas de emendas parlamentares. Os deputados Marquinhos Trad (PMDB) e Paulo Duarte (PT) são alguns dos que mais criticam as mudanças sugeridas pelo governo.

Outros deputados, como Ary Rigo (PDT) e Paulo Corrêa (PR), também se manifestaram contra a proposta, que libera a utilização de alguns petrechos considerados agressivos ao meio ambiente, como anzol de galho, tarrafas, bóias e redes.

Presidente da Comissão de Meio Ambiente, Corrêa considerou um retrocesso a reintrodução do chamado “João bobo” e do anzol de galho.

"Não vamos retroceder", declarou, ressaltando que não foi convidado a participar de nenhuma audiência pública para debater a proposta.

Líder do PR na Assembléia, o deputado Antônio Carlos Arroyo afirma que as discussões não podem acontecer “no afogadilho”.

O prefeito de Corumbá, Ruiter Cunha de Oliveira (PT), também já se posicionou contra o projeto.

Ele está, inclusive, encabeçando um movimento de criação de uma legislação especial para a pesca nos rios que passam por municípios do Pantanal.

A proposta também libera a pesca para barcos estrangeiros, item que também é motivo de protesto para o prefeito de Corumbá.

“Onde entram os interesses dos donos de barcos estrangeiros na economia doméstica?”, questiona.

Os líderes políticos são unânimes em dizer que o período da Piracema não está sendo suficiente para a reposição dos espécimes capturados, a procura por pescado aumenta a cada dia e o peixe tem ficado mais caro e escasso.

Já o deputado Júnior Mochi (PMDB) afirma que a proposta foi discutida exaustivamente durante audiências públicas realizadas em Campo Grande, Corumbá, Miranda, Aquidauana e Coxim. "O projeto não veio no afogadilho, foi construído em muitas mãos", defendeu.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 21 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Domingo, 20 de Maio de 2018
15:18
Cassilândia/Itajá
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)