Cassilândia, Quarta-feira, 28 de Junho de 2017

Últimas Notícias

24/07/2014 09:00

Deficiente físico tem direito de continuar em concurso da Polícia

TJMS

Em decisão unânime da 1ª Seção Cível do Tribunal de Justiça de MS, o concursando M.S.T., após impetrar um Mandado de Segurança contra as autoridades que realizam o concurso para polícia civil do Estado, obteve o direito de continuar nas demais fases do certame. O candidato foi desclassificado na fase de exames médicos e odontológicos após ser considerado inapto por ser cego de um dos olhos.

O concursando impetrou o mandamus por não concordar com a reprovação na fase clínica, por considerar que a banca examinadora tinha conhecimento de sua deficiência e aceitou sua inscrição dentro das cotas destinadas a pessoas com deficiência. O laudo e exames médicos confirmam exatamente a mesma deficiência apresentada no ato de inscrição do concurso.

Notificadas, as autoridades coatoras apontaram a ausência de direito líquido e certo, sob o argumento de que a deficiência física que acomete o impetrante é incompatível com o exercício do cargo de Agente de Polícia Judiciária e sua exclusão do certame foi legítima, na medida em que a peculiaridade do seu caso demanda tratamento diferenciado.

No entender do relator do MS, Des. Divoncir Schreiner Maran, o impetrante possui razão, embora a avaliação médico-odontológica seja autorizada pela Constituição Federal, sendo imprescindível para atestar a capacitação física e mental dos candidatos frente às atividades que deverão ser desempenhadas. “Observa-se que a inaptidão do impetrante foi alicerçada exclusivamente na sua condição física, sem que a avaliação médica apontasse concretamente a incompatibilidade de sua limitação com as atividades atinentes ao cargo de Agente de Polícia Judiciária, função de Investigador de Polícia Judiciária”.

O relator considerou discriminatória a conduta das autoridades, contrária aos princípios da isonomia e da segurança, pois se a deficiência do candidato fosse incapacitante para o exercício do cargo público a própria inscrição não deveria ser permitida, tendo o concorrente sido aprovado em todas as fases antecedentes.

Segundo o Des. Divoncir, além da violação dos direitos já mencionados, há “também o malferimento dos princípios democrático e da legalidade, porque os cargos públicos devem ser acessíveis a todos aqueles que demonstrarem aptidão física e psicológica de o ocuparem eficientemente. Ademais, se a Constituição da República garante que ninguém será privado de direitos senão em virtude lei e que deverá ser reservado um percentual mínimo de vagas para portadores de necessidades especiais, somente o legislador poderia traçar as espécies de deficiência incompatíveis com cada cargo, emprego ou função pública ou o administrador fazê-lo fundamentadamente, o que não ocorreu neste caso”.

Ainda, em seu voto, o desembargador ressaltou a preocupação de que o Estado não seja um agente que reproduza a discriminação entre as pessoas. “As limitações impostas pela sociedade aos portadores de necessidades especiais, de todos conhecidas, já são sobremaneira discriminatórias, ultrajantes e prejudiciais. Não sem razão o legislador constituinte determinou que se assegurasse, em mais de um dispositivo, a proteção dos direitos dos deficientes. Destarte, o Estado, como responsável maior pelo bem-estar de seus cidadãos, por reduzir as desigualdades sociais e pela promoção da dignidade da pessoa humana, não pode ser o promotor de discriminações ilegais”.

Processo nº 1405687-75.2014.8.12.000

Autor da notícia: Secretaria de Comunicação Social - imprensa@tjms.jus.br

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 27 de Junho de 2017
Segunda, 26 de Junho de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)