Cassilândia, Segunda-feira, 27 de Março de 2017

Últimas Notícias

24/08/2004 10:21

Decisão do TST beneficia trabalhador de Corumbá

TST

Mais uma Turma do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu, na prática, a ampliação da competência da Justiça do Trabalho para a execução de contribuições previdenciárias após a reforma da Previdência aprovada durante o governo FHC. Por unanimidade de votos, a Quarta Turma do TST acolheu recurso do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e declarou a competência da Justiça do Trabalho para executar de ofício as contribuições previdenciárias devidas em função de sentença trabalhista que reconhece apenas o vínculo empregatício, sem impor condenações financeiras.

A decisão tem importante impacto social, pois facilita a vida dos trabalhadores que tenham obtido reconhecimento judicial de vínculo de emprego, além de fortalecer o sistema previdenciário brasileiro. A avaliação foi feita pelo relator do recurso, o juiz convocado Luiz Philippe Vieira de Mello Filho. Ele explicou que até agora as decisões trabalhistas que reconheciam o vínculo de emprego valiam apenas como “início de prova material” para a ação que o trabalhador era obrigado a ajuizar na Justiça Federal para assegurar o direito aos benefícios da Previdência Social.

“A execução das contribuições previdenciárias decorrentes das sentenças que a Justiça do Trabalho proferir permitem a inserção social dos trabalhadores na previdência e na assistência social e lhes assegura os benefícios sociais em face do regime contributivo, que imediatamente decorre da sentença trabalhista que reconhece o vínculo de emprego, afastando-os da informalidade e, sobretudo, da exclusão social”, afirmou Vieira de Mello. Segundo o relator, nesse caso, a responsabilidade pelo pagamento das contribuições é exclusiva do empregador, que não cumpriu com suas obrigações legais.

O caso julgado pela Quarta Turma do TST envolve uma secretária de Corumbá (MS) e a Associação dos Servidores Públicos do Brasil (Asbra). Em primeira instância, o vínculo de emprego foi reconhecido e a Asbra foi condenada a pagar salários atrasados, aviso prévio, férias, 13º salário e FTGS. O juiz da Vara do Trabalho de Corumbá determinou os descontos previdenciários somente sobre as parcelas abrangidas pela condenação, orientando a secretária a pleitear perante a Justiça Federal as contribuições incidentes sobre os salários que efetivamente recebeu durante a relação de emprego. Explicou que tais contribuições não decorriam de sua decisão já que o reconhecimento do vínculo empregatício teria caráter declaratório.

O INSS recorreu ao TRT de Mato Grosso do Sul (24ª Região), que ratificou o entendimento de primeiro grau de que a Justiça do Trabalho era incompetente para executar as contribuições do período contratual. O INSS recorreu então ao TST, argumentando que a sentença trabalhista que reconhece vínculo empregatício equivale a “verdadeiro lançamento de crédito previdenciário”. Viera de Mello Filho explicou que alguns TRTs têm dado interpretação restritiva do Artigo 114 (parágrafo 3º) da Constituição de 1988, mesmo após a Emenda Constitucional nº 28, de 2000.

A emenda alterou o dispositivo constitucional relativo à Justiça do Trabalho, dando-lhe competência para julgar e executar de ofício os pedidos de recolhimento das contribuições previdenciárias durante o contrato de trabalho. Nas instâncias ordinárias da Justiça do Trabalho, muito juízes têm confrontado a nova redação do artigo 114 da Constituição com o artigo 876 da CLT (que restringe a execução de ofício às sentenças condenatórias). “Não será a norma constitucional que haverá de se regular pela norma infraconstitucional, pois a primeira tem imediata incidência no ordenamento jurídico, sobrepondo-se às disposições em contrário e afastando interpretações restritivas”, concluiu o relator. (RR35/2002-041-24-40.8)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 27 de Março de 2017
Domingo, 26 de Março de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 25 de Março de 2017
21:10
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)