Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

08/11/2004 15:32

Decidido/indenização a menina que perdeu visão na escola

STJ

Por entender que, para reabrir a discussão sobre o mérito da questão, seria necessário o reexame de todas as provas produzidas no processo, o que não é cabível na via do recurso especial, o ministro Antônio de Pádua Ribeiro, presidente da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça, manteve integralmente acórdão do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro que garantiu à menor B. F. V. e seus pais direito a indenização em razão de acidente ocorrido durante atividade escolar.

Segundo o processo, a menor participava de atividade com a utilização de um "bambolê", no pátio da escola, quando o brinquedo se partiu e atingiu fortemente o seu olho direito. Em razão do impacto, os médicos que atenderam a vítima constataram catarata traumática no olho atingido, resultante de lesão por objeto perfurante. A sentença, que acabou mantida integralmente pelo TJ/RJ, aplicando a teoria da responsabilidade objetiva, acolheu parcialmente o pedido de reparação e fixou a indenização em favor da menor em R$ 6.400,00, acrescida do valor, ainda a título de indenização por dano material, de R$ 4.640,00. Além disso, a título de danos morais, incluídos os estéticos, fixou valor correspondente a 200 salários mínimos em razão do sofrimento infligido à criança e a seus pais.

Os pais ganharam também indenização a título de valor moral, fixada em 50 salários mínimos para cada um, além dos juros simples, das custas e dos honorários advocatícios fixados em 10% sobre os valores da condenação, incluídas as prestações equivalentes a doze meses das verbas vincendas. O recurso especial do estabelecimento educacional não foi admitido, daí a razão do agravo de instrumento.

O colégio alega que o fato decorreu de um acidente que se caracteriza como caso fortuito e imprevisível, circunstância que afasta por completo o nexo de causalidade e a responsabilidade civil do agravante. Insurgiu-se também contra a indenização a ser paga aos pais da menina, que entendem indevida, uma vez que apenas a menor foi lesionada. Questionam, ainda, a fixação dos danos materiais, já que não ficou caracterizada a redução da capacidade de trabalho da vítima, bem como a fixação de quantia superior à necessária para fazer frente ao tratamento médico da criança. Impugnou o valor de 200 salários mínimos fixado a título de danos morais, no seu entender, exorbitante.

Ao manter a decisão recorrida, o relator do processo, ministro Antônio de Pádua Ribeiro, considerou que o alegado caso fortuito interno não desonera o colégio da obrigação de indenizar, que decorre da responsabilidade objetiva do serviço, por se tratar, a toda evidência, de acidente de consumo em razão do serviço prestado. Comprovado, pois, o defeito ou a falha na prestação dos serviços, reverter esse resultado implicaria o reexame das provas trazidas aos autos, o que não se coaduna com o recurso especial. Por essa mesma razão, não há como reexaminar a questão do valor fixado a título de danos materiais, tendo em vista que o TJ/RJ fixou-o com base nos fatos e provas produzidas durante a instrução processual.

De igual modo, para o ministro Antônio de Pádua Ribeiro, quanto à fixação dos danos morais aos pais da menina, porque não resta dúvida de que ela foi quem sofreu mais intensamente os efeitos do sinistro, contudo a dor dos pais pelo ocorrido também há de ser indenizada, não se configurando como dupla condenação pelo mesmo fato, mas indenização a cada um na medida do dano causado.

Viriato Gaspar

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)